Alterações Climáticas

Peixes limpadores podem deixar de limpar devido às alterações climáticas

Dois peixes limpadores removem pele morta e parasitas externos de uma garoupa.

Richard Ling/Wikipedia

A investigação integrou investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Os peixes limpadores, que têm entre as suas funções remover parasitas e contribuir para a biodiversidade, poderão deixar de fazer esta função devido às alterações climáticas, conclui um estudo hoje divulgado.

A investigação, que integrou investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e foi publicada recentemente na revista Scientific Reports da Nature revela que peixes limpadores podem deixar de limpar devido às alterações climáticas.

De acordo com um comunicado, o estudo demonstrou que "após uma longa exposição a água mais quente e mais ácida os peixes limpadores - Labroides dimidiatus - reduzem a motivação para interagir com outros peixes do recife de coral".

O trabalho realizado no Laboratório Marítimo da Guia para estudar as reações dos peixes às futuras alterações climáticas, usou valores de temperatura e de pH previstos pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) para o fim do século, acrescenta o mesmo comunicado.

  • Os oceanos vão ficar mais quentes mais rapidamente do que se pensava

As alterações observadas, de acordo com o estudo, estão relacionadas com as "mudanças nos níveis de neurotransmissores no cérebro (dopamina e serotonina)" dos peixes.

Os peixes limpadores têm a função de remover parasitas e pele morta de outros peixes dos recifes de coral, contribuindo para a formação da biodiversidade, incluindo espécies vulneráveis ou em vias de extinção.

A investigação, que teve início em novembro de 2014, contou com a participação de investigadores da Universidade Nova de Lisboa, da Universidade de Uppsala, na Suécia e da Universidade de James Cook, na Austrália.

  • Cientistas apresentam diagnóstico dramático para os oceanos

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia