Crise Climática

Alguns dos piores cenários climáticos de há 10 anos já são realidade, alertam cientistas

David Goldman

A destruição da floresta amazónica e a perda das grandes massas de gelo na Antártida e Gronelândia estão entre os pontos críticos.

Mais de metade dos piores cenários climáticos identificados há uma década pelos cientistas estão comprovadamente a acontecer, alertou esta quarta-feira uma equipa de investigadores num artigo publicado na revista Nature, em que defendem a declaração de uma "emergência planetária".

A destruição da floresta amazónica e a perda das grandes massas de gelo na Antártida e Gronelândia estão entre nove pontos críticos em relação aos quais estão a acontecer mudanças sem precedentes mais cedo do que se esperava, e que, combinados, podem levar a um "efeito dominó" com efeitos catastróficos.

Amnistia Internacional diz que "Usurpação ilegal de terras é uma das maiores ameaças à destruição da floresta amazónica"

"Há uma década, identificámos uma série de potenciais pontos críticos e vemos agora que mais de metade foram ativados", afirmou o diretor do Instituto de Sistemas Globais da Universidade britânica de Exeter, Tim Lenton.

A ameaça de "mudanças rápidas e irreversíveis significa que não se pode esperar para ver", afirmou o coautor Johan Rockström, do Instituto para a Investigação do Impacto Climático de Potsdam [Alemanha] , salientando que "cientificamente, há provas fortes para declarar um estado de emergência planetária, para desencadear uma ação mundial que acelere a transição para um mundo que possa continuar a evoluir num planeta estável".

O colapso dos gelos na Gronelândia e na Antártida poderá levar à subida irreversível de dez metros do nível dos oceanos, alertam os cientistas, chamando a atenção para os efeitos combinados desse e de outros fenómenos como a destruição da floresta tropical ou o derretimento dos gelos permanentes, difíceis de prever.Contudo, não afastam a hipótese de propiciarem "um ponto crítico global", que pode ser "uma ameaça à existência da civilização".

Iceberg duas vezes o tamanho da ilha da Madeira separou-se da Antártida

A redução de emissões de gases com efeito de estufa poderá fazer abrandar a perda do gelo, dando mais tempo para mover as populações em zonas de mais baixa altitude, defendem.

Embora as temperaturas globais tenham sofrido flutuações ao longo de milhões de anos, os autores do artigo afirmam que os humanos estão a "forçar o sistema" com as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera a aumentarem a um ritmo maior do que o que precedeu a última idade do gelo.

"Não há análises de custo económico/benefício que nos possam ajudar. Precisamos de mudar a nossa abordagem ao problema do clima", afirmou Tim Lenton.

Deixar para trás a economia assente nos combustíveis fósseis antes de 2050 é uma hipótese improvável, mas já hoje, com a temperatura 1,1 graus acima dos níveis pré-industriais, é provável que o aumento atinja 1,5 graus já em 2040, o que consideram que, só por si, já é uma emergência.

Além da Amazónia, da Antártida e da Gronelândia, as alterações nas massas de gelo do Ártico, os recifes de coral, os gelos permanentes, as correntes marinhas no Atlântico e as florestas do Norte são os pontos críticos sensíveis identificados pelos cientistas.

Lusa

  • Governo admite baixar IVA da eletricidade e gás para quem gastar menos
    2:38