Alterações Climáticas

Líderes europeus acordam redução de 55% de gases com efeito de estufa até 2030

Correspondente SIC

Mais um passo para a neutralidade climática em 2050.  

Os líderes europeus chegaram a acordo para reduzir em pelo menos 55% as emissões de gases com efeito de estufa até 2030. A última cimeira do ano desbloqueou também o impasse na aprovação dos fundos. Para António Costa, o mérito é da chanceler alemã. Já Angela Merkel desejou boa sorte à próxima presidência portuguesa da União Europeia.

O resultado de mais uma noite em claro para os líderes europeus não é tão ambicioso como o Parlamento Europeu quer. Ainda assim, os 27 prometem reduzir em pelos menos 55% as emissões com efeito de estufa.

É mais um passo para que a União Europeia alcance a neutralidade climática em 2050.

Um passo dado depois de terem desbloqueado as novas verbas para financiar a transição energética e responder à pandemia.

Costa agredece à presidência alemã, Merkel deseja felicidades ao sucessor

Temos aqui dois resultados históricos a assinalar a fechar com chave de ouro a presidência alemã a quem quero aqui agradecer", disse António Costa.

Angela Merkel respondeu: "Deixamos alguns assuntos por resolver para a presidência portuguesa, desejo as melhores felicidades ao meu sucessor, António Costa".

O orçamento comunitário pode entrar em vigor no início do ano, que é também quando arranca a presidência portuguesa. Já o primeiro cheque de peso do fundo de recuperação pode chegar na primavera.

“A última cimeira do ano resolveu o impasse nos fundos, garantindo que haverá dinheiro novo a partir de janeiro, mas há outro problema que está por resolver antes do final do ano. União Europeia e Reino Unido continuam sem se entender quanto a uma futura parceria e a um acordo de comércio”, afirmou Von der Leyen.

Para enfrentar o pior cenário, estão já em cima da mesa planos de contingência.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia