Crise nos combustíveis

Sindicatos de motoristas com greve marcada reúnem-se hoje em vários plenários

Paulo Cunha / LUSA

"A última oportunidade" para a ANTRAM apresentar uma proposta que cancele a greve que começa na próxima semana.

Os sindicatos de motoristas que entregaram um pré-aviso de greve, com início na segunda-feira, reúnem-se hoje em vários plenários com os seus associados, para discutir “assuntos importantes do mundo laboral”, segundo Pardal Henriques.

O advogado do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, disse também na quinta-feira que os plenários de trabalhadores de hoje são a "última oportunidade" para a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) apresentar uma proposta que cancele a greve dos motoristas.

Os plenários começam logo pela manhã e prolongam-se ao longo de todo o dia.

O Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM) começa por realizar um plenário apenas para os seus associados às 09:30, em Leiria.

Já em conjunto com o SNMMP, decorrem mais duas reuniões: uma pelas 16:00, em Aveiras de Cima, e outra às 17:00, em Olhão.

O Governo decretou na quarta-feira serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias que se inicia na próxima segunda-feira, por tempo indeterminado.

Os sindicatos grevistas decidiram, então, impugnar o despacho dos serviços mínimos, entregando providências cautelares no Tribunal Administrativo de Lisboa.

Na segunda-feira, numa reunião entre os dois sindicatos grevistas e o Governo, o Ministério das Infraestruturas propôs aos sindicatos a possibilidade de ser desencadeado “um mecanismo legal de mediação”, que obriga patrões e sindicatos a negociar e que permite que a greve seja desconvocada.

À saída da reunião, Pedro Pardal Henriques, garantiu que a greve vai manter-se até a Antram apresentar “uma contraproposta” para os sindicatos analisarem nos plenários de hoje.

O SNMMP e o SIMM entregaram um pré-aviso de greve em 15 de julho e acusaram a Antram de não querer cumprir o acordo assinado em maio, acordo esse que, segundo os sindicatos, levou à desmarcação de uma greve que estava programada para aquela altura.

Os representantes dos motoristas pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros em janeiro de 2020, 1.550 euros em janeiro de 2021 e 1.715 euros em janeiro de 2022.

Também se associou à greve o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

Lusa

  • “Entregues à Sorte” – Primeiro episódio
    30:41