Crise nos combustíveis

Em resposta à requisição civil, motoristas garantem que não trabalham mais do que 8 horas

Em resposta à requisição civil, motoristas garantem que não trabalham mais do que 8 horas

Elementos das forças de segurança assumem a tarefa de conduzir os camiões-cisterna. 

Os motoristas de matérias perigosas prometem não trabalhar mais, a seguir ao almoço. Dizem ter sido escalados a partir das 6 da manhã e que não farão mais de 8 horas. É a resposta à requisição civil em vigor decidida ontem pelo Governo. As dificuldades de abastecimento em vários pontos do país podem continuar ao longo do dia. Há vários elementos das forças de segurança em Aveiras a assumir a tarefa de conduzir os camiões.