Crise nos combustíveis

Baixas médicas dos motoristas de matérias perigosas sob suspeita

TIAGO PETINGA

Baixas serão investigadas, garante o Ministro do Trabalho.

Entrevistado na Edição da Noite, da SIC Notícias, Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Segurança Social garante que é inaceitável a "utilização indevida de baixas médicas" e promete investigar.

Esta terça-feira, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, disse que 14 trabalhadores não cumpriram a requisição civil decretada pelo Governo na greve dos motoristas, 11 por apresentarem baixa médica.

O ministro informou também que a 11 desses trabalhadores "já foi feita a devida notificação", referindo que primeiro é feita a "notificação do incumprimento e depois é que há a notificação de estarem a cometer um crime de desobediência".

Em relação aos restantes três trabalhadores, estão ainda "por encontrar e notificar", acrescentou João Pedro Matos Fernandes.

O governante detalhou que dos trabalhadores que não cumpriram a requisição civil "foram formalmente comunicadas à GNR as seguintes falhas: três do distrito de Faro, quatro do distrito de Lisboa e três do distrito de Setúbal".

De acordo com o ministro, "todos alegaram baixa médica".Já à PSP "foram formalizadas quatro queixas, uma no distrito de Setúbal" e "as outras três estão ainda por localizar".

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumprem esta quarta-feira o terceuro dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar a requisição civil, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público.

Com Lusa

  • "A Lavandaria" - Segundo episódio
    31:39