Crise na Venezuela

Todos os diplomatas norte-americanos já saíram da Venezuela

Carlos Garcia Rawlins

A presença diplomática norte-americana na Venezuela apenas será restabelecida quando "a transição para a democracia tiver começado", diz Mike Pompeo.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, anunciou esta quinta-feira que todos os seus diplomatas abandonaram a Venezuela e que Washington apenas restabelecerá a presença diplomática quando "a transição para a democracia tiver começado".

A bandeira dos EUA já não esvoaçava hoje na embaixada de Caracas e uma comitiva de funcionários foi vista a abandonar as instalações, durante a manhã, horas antes de o chefe da diplomacia norte-americana anunciar, em comunicado, que os "todos os diplomatas" norte-americanos tinham deixado a Venezuela.

Mike Pompeo reconheceu que este é "um momento difícil" para os funcionários de embaixadas e consulados dos EUA na Venezuela e diz que o seu governo continua empenhado em apoiar o líder da oposição, Juan Guaidó, no seu esforço de expulsar o Presidente eleito, Nicolas Maduro, e convocar novas eleições.

Pompeo diz que a presença diplomática na Venezuela apenas será restabelecida quando "a transição para a democracia tiver começado" e afirmou que o seu governo continua empenhado na "missão de apoiar as aspirações do povo venezuelano de viver em democracia e construir um futuro melhor para suas famílias".

No início desta semana, Pompeo tinha escrito na sua página na rede social Twitter que os diplomatas dos EUA seriam retirados da Venezuela, porque se tinham tornado "um constrangimento" para a estratégia política norte-americana na região.

O governo venezuelano tem uma outra versão para este abandono dos diplomatas, dizendo que eles estão a sair porque foram expulsos pelo regime de Nicolas Maduro.

Lusa