Crise na Venezuela

Trump diz que Moscovo deve retirar militares russos da Venezuela

Carlos Jasso

Militares chegaram a Caracas no fim de semana.

Dois aviões das Forças Armadas da Rússia, com cerca de 100 militares, aterraram no sábado fora da capital venezuelana.

As declarações do presidente dos Estados Unidos surgiram depois de um encontro com a mulher de Juan Guaidó na Casa Branca, a quem o Governo norte-americano apelidou de primeira-dama venezuelana.

Também o vice-presidente, Mike Pence, considerou a decisão da Rússia uma infeliz provocação, e pediu a Putin que deixe de apoiar Nicolás Maduro.

Em terreno venezuelano, a população continua a sofrer com o apagão que dura há três dias. Guaidó já convocou os apoiantes a manifestarem-se no sábado contra a falha de energia. 18 dos 23 estados estão totalmente ou parcialmente às escuras e mais de 90% do país está sem Internet.

O Governo de Maduro culpa as falhas por atos de sabotagem dos opositores.

Este é o segundo apagão registado em março depois de um primeiro ter paralisado o país durante uma semana.