Crise na Venezuela

Rússia acusa oposição venezuelana de provocar confrontos

Ueslei Marcelino

"A oposição radical da Venezuela recorreu mais uma vez ao confronto pela força."

A Rússia acusou esta terça-feira a oposição venezuelana liderada por Juan Guaidó e apoiada pelos Estados Unidos de provocar o confronto na Venezuela e apelou para a realização de conversações para evitar um banho de sangue.

"A oposição radical da Venezuela recorreu mais uma vez ao confronto pela força", declarou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo em comunicado, acusando os opositores ao Presidente Nicolás Maduro de "instigarem" o conflito e apelando para negociações que impeçam o derramamento de sangue.

"É importante evitar distúrbios e derramamento de sangue", defendeu o MNE russo, sublinhando que os problemas da Venezuela "devem ser resolvidos através de um processo negocial responsável sem condições prévias".

Na nota, o ministério insta ainda a oposição venezuelana a evitar "ingerências destrutivas do exterior".

A Rússia é uma importante aliada do regime do Presidente Nicolás Maduro e um dos maiores fornecedores de armamento do Governo venezuelano.

O líder da oposição e autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, apelou esta terça-feira para um pronunciamento militar contra Maduro, e as autoridades norte-americanas emitiram declarações de apoio.

Multidões de apoiantes de Guaidó, incluindo militares, encheram as ruas de Caracas, mas as altas patentes das Forças Armadas dizem manter-se leais a Maduro.

Lusa

  • FC Porto vence e segue na Liga Europa

    Liga Europa 2019/2020

    "Dragões" receberam e venceram o Feyenoord por 3-2 e conquistaram o primeiro lugar do Grupo G com mais um ponto que o Rangers. Veja aqui os lances.

    Em atualização