Crise na Venezuela

Deputado venezuelano refugia-se na embaixada italiana em Caracas

Carlos Garcia Rawlins

"Não lhe vou dar o prazer (a Maduro) de me expor como troféu" escreveu Americo de Garzia no Twitter.


Eu não vou dar-lhe o prazer, #NarcoDictadura que eu expor como um troféu e me usar como refém, em troca de perdoar os seus crimes contra a humanidade, violação dos direitos humanos, corrupção, narcotrafico e terrorismo. Ainda estou na luta. #VenezuelaValeLaPena. E eu aprecio as boas-vindas da Itália."

A embaixada de Itália confirmou em comunicado: "Um membro da Assembleia Nacional da Venezuela de origem italiana, Americo De Grazia, uma das sete pessoas legitimamente eleitas na Assembleia Nacional, foi recebido na residência do embaixador italiano em Caracas", disse o Ministério de Relações Exteriores em comunicado.

No início desta semana (7/05) a Assembleia Constituinte da Venezuela (ANC), composta unicamente por simpatizantes do regime, anunciou o levantamento da imunidade a sete deputados da oposição, em resposta a um pedido do Supremo Tribunal de Justiça.

Os deputados "participaram de maneira flagrante num golpe de Estado em 30 de abril", afirmou o presidnete da ANC, Diosdao Cabello, numa alusão às manifestações, que resultaram em cinco mortos e mais de 200 detidos.

O Vice-Presidente da Assembleia Nacional foi uma das figuras detidas pelo regime de Maduro.