Crise na Venezuela

Número de presos políticos na Venezuela subiu para 859

Os dados dão conta que em 22 de abril último o número de presos políticos era de 790.

O número de presos políticos na Venezuela subiu para 859, segundo dados divulgados na segunda-feira pela organização não-governamental Foro Penal Venezuelano (FPV).

Os dados dão conta que em 22 de abril último o número de presos políticos era de 790, número que aumentou agora para 859.

"Há 859 presos políticos na Venezuela, segundo listagem atualizada do Foro Penal, enviada à Organização de Estados Americanos e à ONU, para verificação e certificação", anunciou o vice-presidente daquela organização.

Segundo Gonzalo Himiob, há ainda a registar que "8.467 pessoas continuam submetidas a processos penais injustos sob medidas cautelares", que passam pelo regime de apresentação periódica perante tribunais, proibição de sair do país e, nalguns casos, prisão domiciliária.

Dos 859 presos políticos registados em 13 de maio, 97 são militares e 762 civis, adiantou o FPV.

Por outro lado, 791 são homens e 68 mulheres, existindo três adolescentes detidos.

O luso-venezuelano e politólogo Vasco da Costa, de 58 anos, é um destes presos, tendo sido detido na sua casa em abril de 2018 por agentes do SEBIN (serviços secretos do país) que, entre outras coisas, levaram computadores.

De acordo com Ana Maria da Costa, 30 agentes dos serviços secretos, "vestidos de comandos e com espingardas", arrombaram a porta, espancaram o irmão e destruíram a casa.

Filho de um antigo cônsul de Portugal em Caracas, o politólogo Vasco da Costa tinha estado detido entre julho de 2014 e outubro de 2017.

Na altura, foi acusado de ligações a uma farmacêutica que estaria, alegadamente, envolvida em planos para fabricar engenhos explosivos artesanais, durante os protestos ocorridos no primeiro semestre de 2014 contra o Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Segundo Ana Maria da Costa, Vasco da Costa foi acusado dos crimes de terrorismo, associação para cometer delito com fins de terrorismo, fabrico ilegal de explosivos para fins terroristas e ocultação de munições.

Vasco da Costa faz parte do Movimento Nacionalista Venezuelano e do partido Nova Ordem Social, liderado pela lusodescendente Venezuela Portuguesa da Silva, atualmente radicada na Espanha.

Lusa