Crise na Venezuela

Representantes de Juan Guaidó acusam embaixador da Venezuela na ONU de fraude

Brendan McDermid / Reuters

Acusado de "operações fraudulentas" com transferências de fundos do Estado venezuelano.

Os representantes do autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, acusaram o embaixador do país na ONU, Samuel Moncada, de ter realizado "operações fraudulentas" com transferências de fundos do Estado venezuelano.

"São operações fraudulentas porque foram realizadas imediatamente depois de o embaixador [Carlos] Vecchio ter sido nomeado pelo Presidente interino Juan Guaidó e pela Assembleia Nacional em janeiro [último] ", de acordo com um comunicado divulgado na quinta-feira.

O documento, emitido em nome da embaixada da Venezuela nos Estados Unidos, atualmente controlada pelos representantes de Juan Guaidó, indicou que o Governo interino e aquela representação diplomática "não reconhecem débitos bancários feitos nas contas da República, uma vez que a única pessoa autorizada a realizar movimentos nessas contas é o embaixador", designado pelo líder opositor.

"A partir da nossa missão diplomática, estamos a trabalhar com as instituições financeiras relevantes para recuperar os recursos e tomaremos medidas legais, civis, criminais e administrativas", acrescentou o comunicado, adiantando estar em causa quase um milhão de dólares norte-americanos (cerca de 890 mil euros).

Depois de a oposição "recuperar o controlo" sobre os ativos da Venezuela naquela representação diplomática, "foi feito um inventário detalhado de bens móveis, mediante o qual se verificou que vários equipamentos, mobiliário e obras de arte foram danificados ou desapareceram, indicou a mesma nota.

Este é o "resultado do desmantelamento e do abandono" da rede diplomática e consular do país, decidido pelo regime do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.
Atualmente, a oposição venezuelana controla seis edifícios diplomáticos do país em Wasington.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó jurou assumir as funções de Presidente interino e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres. Guaidó contou com apoio de mais de 50 países, incluindo Portugal.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Juan Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime, mas não houve desenvolvimentos na situação até ao momento.

Nicolás Maduro, de 56 anos e no poder desde 2013, denunciou as iniciativas do presidente do Assembleia Nacional como uma tentativa de golpe de Estado liderado pelos Estados Unidos.
À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou quase três milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, de acordo com dados das Nações Unidas.

Lusa

  • Palestinianos boicotam cimeira organizada pelos EUA no Bahrein
    2:50
  • André Rieu fez um vídeo para os fãs portugueses
    0:38