Ébola

Ébola mata mais de 1.500 pessoas na República Democrática do Congo

Stringer .

Este surto já é considerado o mais letal na República Democrática do Congo e o segundo a nível mundial.

O surto de Ébola no nordeste da República Democrática do Congo (RDC) causou mais de 1.500 mortes e 2.200 casos de contágio desde que foi declarado em agosto do ano passado, segundo os últimos dados do Ministério da Saúde congolês.

De acordo com um relatório datado de sábado, as autoridades contabilizaram em 1.506 o número de mortes, das quais 1.412 tinham dado positivo para a infeção em testes de laboratório. Os casos de contágio totalizam 2.239, dos quais 2.145 foram confirmados.

Este surto - o mais letal na história da RDC e o segundo no Mundo por mortes e casos confirmados após a epidemia na África Ocidental em 2014 - foi declarado em agosto de 2018 nas províncias de Kivu do Norte e Ituri.

No entanto, o controle da epidemia tem sido dificultado pela recusa de algumas comunidades em receber tratamento e pela insegurança na área, onde grupos armados e milícias rebeldes atacaram vários centros de tratamento.

Desde 08 de agosto de 2018, quando as vacinações começaram, mais de 140.900 pessoas foram inoculadas, principalmente nas cidades de Katwa, Beni, Butembo, Mabalako e Mandima, de acordo com os últimos números publicados pelo Ministério da Saúde.

Em 14 de junho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu não declarar a epidemia de Ébola na RDC como uma emergência internacional de saúde, mas advertiu sobre os riscos na região após o surgimento dos primeiros casos na vizinha Uganda.

O Ministério da Saúde do Uganda confirmou a morte por Ébola dentro das suas fronteiras (uma criança de 5 anos e a sua avó chegou da RDC com outros familiares).

Desde então, as medidas de prevenção aumentaram no Uganda, onde cerca de 5.000 profissionais de saúde já foram vacinados.

Existem em toda a fronteira centros de deteção de Ébola da RDC, assim como em outros pontos de entrada e saídas importantes.

O surto de Ebola mais devastador do mundo foi declarado em março de 2014 na Guiné-Conacri, tendo-se espalhado depois para as vizinhas Serra Leoa e Libéria.

Quase dois anos depois, em janeiro de 2016, a Organização Mundial de Saúde proclamou o fim da epidemia, na qual 11.300 pessoas morreram e mais de 28.500 foram infetadas.

O vírus Ébola é transmitido através do contacto direto com sangue e fluidos corporais contaminados, causa febre hemorrágica e pode atingir uma taxa de mortalidade de 90% se não for tratado a tempo.

Lusa

  • Cepas da Serra
    10:16
  • "À descoberta com..." Inês Castel-Branco na Tailândia 
    3:14