Daesh

Sobe para 35 o número de mortos em ataque à universidade de Cabul

Jawad Jalali

Atentado foi reivindicado pelo Daesh.

O ataque desta segunda-feira na Universidade de Cabul, reivindicado pelo grupo jihadista Daesh, fez pelo menos 35 mortos, na maioria estudantes, e vários feridos.

O Daesh reivindicou o ataque no próprio dia num comunicado divulgado pela sua agência de propaganda, Amaq.

"Dois combatentes do Daesh conseguiram lançar um ataque durante um (evento) organizado pelo governo afegão na Universidade de Cabul", precisa a Amaq, através do serviço de mensagens Telegram.

A propósito do evento em questão, o Daesh falou de "juízes e investigadores que tinham concluído uma formação".

Fontes de segurança afegãs indicaram à mesma agência que "o balanço de mortos e feridos no ataque é de quase 80", entre os juízes, investigadores e pessoal de segurança, enquanto segundo a Amaq "os dois atacantes morreram no confronto com o pessoal de segurança".

"Estiveram envolvidos três atacantes. Um deles detonou os explosivos que tinha consigo no início do ataque, dois foram abatidos pelas forças de segurança", declarou à agência France Presse o porta-voz do Ministério do Interior, Tariq Arian.

O porta-voz da polícia de Cabul, Ferdaws Faramerz, indicou à AFP que a maioria dos mortos eram estudantes.

Os agressores escolheram a primeira hora da manhã, no turno de maior frequência, para entrar na universidade, quando, segundo o porta-voz do Ministério da Educação Superior, Hanif Farzan, cerca de 15 mil pessoas estavam no campus entre alunos, professores e outros funcionários.

Este não é o primeiro ataque a universidades no Afeganistão.

Em outubro do ano passado, 23 estudantes, a maioria mulheres, ficaram feridos depois de uma bomba explodir numa sala de aula numa universidade na província de Ghazni (sul), enquanto em agosto de 2016, 17 pessoas morreram e 45 ficaram feridas num ataque à Universidade Americana de Cabul.