Daesh

Treze soldados mortos em emboscada do Estado Islâmico da África Ocidental na Nigéria

(Arquivo)

Stringer .

São frequentes os confrontos entre os extremistas islâmicos e as tropas nigerianas.

Treze soldados nigerianos foram mortos, no sábado, durante uma emboscada do grupo extremista Estado Islâmico da África Ocidental no estado de Yobe, no nordeste da Nigéria, disseram hoje fontes militares à France Presse.

Os membros do grupo Estado Islâmico da África Ocidental (Islamic State West Africa Province- Iswap), uma das fações do antigo Boko Haram, dispararam contra um comboio de veículos militares durante uma emboscada localizada perto da cidade de Gazana, 30 quilómetros de Damaturu, a capital do Estado.

Os atacantes usaram armas ligeiras e lança-foguetes.

"Nós perdemos 13 soldados nesta emboscada e vários ficaram feridos", disse à AFP um oficial militar das forças governamentais.

Os veículos dirigiam-se para uma base do Exército situada na cidade de Buni Yadi, a 50 quilómetros de Damaturu, precisou uma segunda fonte militar que transmitiu o mesmo número de mortos.

"Os confrontos foram ferozes e os terroristas também sofreram baixas", acrescentou a fonte sem fornecer a identidade dos extremistas islâmicos abatidos.

A região de Buni Yadi é um dos bastiões do Iswap, onde leva a cabo regularmente ataques contra militares e viajantes civis.

Os radicais islâmicos deslocam-se no perímetro de Buni Yadi, num campo situado nas florestas de Benisheikh, no Estado vizinho de Borno.

São frequentes os confrontos entre os extremistas islâmicos e as tropas nigerianas.

Desde 2009, o nordeste da Nigéria e em particular o Estado de Borno, é alvo de ataques dos radicais islâmicos do grupo Boko Haram.

"Dois" Boko Haram

Em 2016, o grupo Boko Haram dividiu-se em duas fações: uma dirigida por Abubakar Shekau e a outra, o Iswap, ligado ao grupo Estado Islâmico.

Desde o início do conflito morreram 36 mil pessoas e mais de dois milhões de civis tiveram de abandonar os locais onde viviam.