Europeias 2019

Costa elogia Pedro Marques e critica "campanha suja" do PSD

MIGUEL A. LOPES

"O Pedro Marques revelou ser um extraordinário candidato (...) fartou-se de apanhar pancada não só dos adversários políticos, em particular da campanha muito suja que o PSD montou".

O secretário-geral do PS, António Costa, elogiou este domingo a prestação do cabeça de lista europeu dos socialistas, considerando que Pedro Marques revelou-se um homem de "temperas", e caracterizou como "suja" a campanha feita pelo PSD.

António Costa assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, momentos antes de entrar para o hotel de Lisboa onde o PS vai acompanhar a evolução dos resultados das eleições europeias.

Os jornalistas questionaram o líder socialista se andou com "o número um" da lista do PS ao colo ao longo da campanha eleitoral e António Costa reagiu: "O Pedro Marques revelou ser um extraordinário candidato, um homem com uma grande tempera, fartou-se de apanhar pancada não só dos adversários políticos, em particular da campanha muito suja que o PSD montou".

O secretário-geral do PS criticou igualmente os comentários que os comentadores foram fazendo, revelando aliás uma enorme ignorância sobre o trabalho que foi desenvolvido por ele ao longo de toda a vida, quer como ministro, quer como secretário de Estado, quer, ainda, como deputado do PS".

"Pedro Marques revelou a tempera que tem ao aguentar esses ataques. Os políticos fazem-se disso, não só das vitórias que têm, mas das derrotas que têm e das pancadas que apanham", sustentou.

Sobre a questão de ter participado em frequentes ações de campanha do PS, António Costa deixou uma questão aos jornalistas: "Conhecem algum líder partidário que não tenha como dever apoiar a participar numa campanha eleitoral?".

"Aliás, esse é um dos temas em que tive maior dificuldade em percebem ao longo da campanha. Como participo em todas as campanhas do PS desde os 14 anos, agora, aos 57 anos, já não tenho idade para deixar de participar e, sendo secretário-geral, por maioria de razão, tenho de estar presente", acrescentou.

Lusa