Europeias 2019

CDS-PP tem pior resultado de sempre nas eleições europeias

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Centristas elegeram um eurodeputado.

O CDS-PP alcançou no domingo o seu pior resultado em eleições europeias, com os dados provisórios a colocarem o partido, pelas 00:50, nos 6,21%, com 204 votos mil votos, elegendo um eurodeputado.

O resultado do CDS-PP é o pior em eleições europeias desde que em 1999 tinham obtido 8,16% e 283 mil votos, com Paulo Portas como cabeça de lista, então presidente do partido há cerca de um ano, depois de ter sido eleito para a liderança centrista no Congresso de Braga.

Os piores resultados de sempre do CDS remontam às maiorias de Cavaco Silva como primeiro-ministro, em 1987 e em 1991, uma altura em que os centristas tinham uma reduzida representação parlamentar e receberam a designação de "partido do táxi".

Nas legislativas de 1987, na liderança de Adriano Moreira, o CDS obteve 4,44% dos votos, com cerca de 251 mil votos. Em 1991, durante a presidência de Diogo Freitas do Amaral, o CDS alcançou 4,43% dos votos, e cerca de 254 mil votos.

As eleições europeias são os atos eleitorais menos participados em Portugal. Pelas 00:50 estavam três freguesias por apurar, 3.089 freguesias apuradas, e 91 consulados apurados em 100.

"Eu não transformo as derrotas em vitórias"

O candidato do CDS às europeias admitiu que o partido não atingiu os objetivos, lamentando o facto de Pedro Mota Soares não ter conseguido um lugar no Parlamento Europeu.

CDS compreendeu o sinal dos eleitores

A líder do CDS, Assunção Cristas, disse que os objetivos traçados pelo partido não foram alcançados nestas eleições europeias. Na primeira reação aos resultados, falou sobre os dados da abstenção e garantiu que o CDS compreendeu o sinal que os eleitores quiseram passar.