Europeias 2019

Muitas estreias entre os 21 deputados portugueses no Parlamento Europeu 2019-24

Vincent Kessler

Nova legislatura marca a despedida de dois 'históricos', o social-democrata Carlos Coelho e a socialista Ana Gomes.

Mais de metade dos 21 eurodeputados portugueses que tomam posse na terça-feira, em Estrasburgo, para a legislatura 2019-2024 do Parlamento Europeu são estreantes, destacando-se a renovação na lista do PS e a estreia absoluta de um partido, o PAN.

Vencedor das eleições europeias de 26 de maio passado em Portugal, o PS elegeu nove deputados (mais um do que em 2014), sendo que apenas dois transitam da anterior legislatura, Pedro Silva Pereira e Carlos Zorrinho, registando-se nada menos que sete estreias, entre as quais a de Pedro Marques, que foi o cabeça de lista dos socialistas.

Já o PSD, que elegeu seis deputados (perdeu um face à anterior legislatura), apresenta apenas dois estreantes, Lídia Pereira e Álvaro Amaro, já que 'repetiu' o cabeça-de-lista e da delegação, Paulo Rangel, reelegeu José Manuel Fernandes e Cláudia Monteiro de Aguiar, e Maria da Graça Carvalho volta ao Parlamento Europeu, onde já foi deputada entre 2009 e 2014.

Terceiro partido mais votado, o Bloco de Esquerda elegeu, além da cabeça-de-lista Marisa Matias -- eurodeputada há já 10 anos, desde 2009 -, José Gusmão, outro estreante, enquanto o Partido Comunista, que também elegeu dois deputados (menos um do que na anterior legislatura), mantém o cabeça-de-lista João Ferreira, a quem se junta a estreante Sandra Pereira.

A delegação do CDS-PP continua 'entregue' a Nuno Melo, que também vai cumprir o seu terceiro mandato, e o 21º eurodeputado é um estreante de um partido que também se estreia em representação parlamentar na assembleia europeia: Francisco Guerreiro, do Partido dos Animais, da Natureza e das Pessoas.

Num contexto de tantas 'caras novas', a nova legislatura marca a despedida de dois 'históricos', o social-democrata Carlos Coelho, que era eurodeputado desde 1998 mas não foi eleito, e a socialista Ana Gomes, deputada ao PE desde 2004, que abdicou de integrar a lista do PS por considerar precisamente que já tinha cumprido o número suficiente de mandatos (três).

Portugal terá uma representação parlamentar com um grande equilíbrio de género, com 11 homens e 10 mulheres, sendo a mais jovem a social-democrata Lídia Pereira (27 anos), quase 40 anos mais nova do que o seu colega de bancada Álvaro Amaro e do que a antiga ministra socialista Maria Manuel Leitão Marques (ambos com 66 anos).

Lusa