Presidenciais

CDS vai decidir posição nas Presidenciais em Conselho Nacional extraordinário

JOSÉ SENA GOULÃO

A decisão foi tomada após o anúncio da recandidatura presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa.

O CDS-PP vai reunir o seu Conselho Nacional (CN) no próximo sábado para tomar posição política sobre as eleições presidenciais de janeiro, depois de o atual Presidente da República ter anunciado a recandidatura.

Numa nota divulgada esta segunda-feira, o presidente do Conselho Nacional do CDS-PP, Filipe Anacoreta Correia, anunciou que o presidente do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, solicitou a convocação de uma reunião extraordinária do órgão máximo do partido entre congressos "para que o partido tome posição política sobre as próximas eleições presidenciais".

A decisão foi tomada após o anúncio da recandidatura presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa e o Conselho Nacional do CDS-PP reúne-se no sábado, dia 11.

Na mesma nota, Filipe Anacoreta Correia sublinhou que Francisco Rodrigues dos Santos tinha afirmado que "daria a voz aos órgãos próprios para que se pronunciassem sobre o apoio" do CDS, assim que Marcelo Rebelo de Sousa "declarasse ao país a intenção" de se recandidatar a Belém.

O local ainda não foi divulgado, mas os democratas-cristãos garantem que haverá "respeito integral pelas regras de saúde pública em vigor no concelho onde irá decorrer a reunião".

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou hoje, em Lisboa, que se vai recandidatar ao cargo de Presidente da República nas eleições de 24 de janeiro de 2021. Até ao momento, conta com o apoio expresso do PSD, que aprovou em Conselho Nacional no dia 26 de setembro uma moção de apoio à então ainda não anunciada recandidatura do atual Presidente.

Por sua vez, o PS decidiu que a orientação para as eleições presidenciais será a liberdade de voto, sem indicação de candidato preferencial. Contudo, a moção aprovada em 07 de novembro pela Comissão Nacional do PS, órgão máximo entre Congressos, refere uma "avaliação positiva" do mandato do atual Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, embora também saúde a candidatura da socialista Ana Gomes.

"A minha primeira palavra é para vos dizer que sou candidato à Presidência da República, porque temos uma pandemia a enfrentar, porque temos uma crise económica e social a vencer, porque temos uma oportunidade única de, além de vencer a crise, mudar para melhor Portugal", afirmou hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Prestes a completar 72 anos, no dia 12 de dezembro, Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito Presidente da República à primeira volta nas eleições de 24 de janeiro de 2016, com 52% dos votos expressos.

Professor catedrático de direito jubilado, antigo presidente do PSD e comentador político televisivo, assumiu a chefia do Estado em 09 de março de 2016.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia