Presidenciais

Marisa Matias vs. André Ventura. Um debate intenso marcado por várias acusações

JOSÉ FERNANDES

Tom aceso, diversas interrupções e uma ameaça de desligar os microfones. Veja aqui o debate na íntegra.

O debate desta quinta-feira que colocou frente a frente a candidata do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, e o candidato do Chega, André Ventura, começou com uma troca de acusações que se prolongou até ao fim do debate.

Marisa Matias acusou o adversário de "mentiroso", "cobarde" e de "prejudicar o português comum". Ventura não demorou a responder e acusou o Bloco de ser o maior "troca tintas da História do país".

Marisa Matias não daria posse a um Governo do Chega

Marisa Matias sublinhou, esta quinta-feira, que não daria posse a um Governo do Chega. "O Chega é um partido que faz parte da democracia portuguesa", atirou André Ventura, lembrando que é possível um Governo entre PSD e Chega. E continuou: "É uma candidatura com uma lógica irresponsável".

Ventura daria posse a um Governo do Bloco de Esquerda

Por outro lado, André Ventura garantiu que, enquanto Presidente da República, daria posse a um Governo formado pelo Bloco de Esquerda.

José Fernandes

"Se o Bloco não é extrema esquerda, já não sei o que é a extrema esquerda"

André Ventura afirmou que o Bloco de Esquerda está sistematicamente contra as famílias, as empresas e os negócios em Portugal. "Parece que sou o único no Parlamento que enfrento o Bloco de Esquerda", rematou.

Taxas de IRS e caso Ricardo Robles

A candidata do Bloco disse que Ventura não representa o português comum e que está ao lado dos mais fortes. Marisa Matias afirmou que André Ventura defende uma taxa de IRS que seja comum a toda a gente de 15%. "E as pessoas com menos rendimentos?", questionou Marisa Matias.

Ventura fugiu à questão e optou por meter em cima da mesa o caso Robles. O candidato do Chega atacou o Bloco de Esquerda com o caso de Ricardo Robles na Câmara de Lisboa.

Em relação, à taxa única de IRS, disse apenas:

"Estude antes de vir para aqui."

Serviço Nacional de Saúde

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi outro dos temas debatidos na SIC.

"Se quiserem destruir o Serviço Nacional de Saúde, os portugueses votam em si. Se quiserem salvar o SNS, votam em mim", atirou a candidata do Bloco de Esquerda.

Marisa Matias continuou a atacar o programa de André Ventura que pretende "destruir" o Serviço Nacional de Saúde e a privatização da escola pública.

Terminou acusando Ventura de ser "um vigarista".

José Fernandes

O líder do Chega preferiu não falar do SNS e em relação à privatização das escolas disse apenas que quer que as pessoas "possam escolher entre as escolas públicas e privadas".

Ventura falou ainda sobre os aumentos propostos pelo seu partido aos enfermeiros e pensionistas que acusa os bloquistas de terem chumbado.

A troca de ataques

Marisa acusou André Ventura de estar a tirar subsídios aos mais pobres nos Açores.

"Candidato André Ventura é cobarde, não tem uma palavra a dizer aos que dominam o poder económico do país", referiu a candidata do Bloco de Esquerda.

Depois da intervenção de Marisa Matias, André Ventura acusou a candidata bloquista de cegueira ideológica.

"Você e o seu partido são os maiores troca tintas da história deste país", acrescentou.

José Fernandes

Migrações

"Não podemos fechar as portas de quem foge da guerra, do terrorismo", disse André Ventura. No entanto, sublinhou: "Não é qualquer pessoa que chega de Marrocos de barco e que entra de qualquer maneira na Europa".

"Não podemos continuar a ter uma Europa em que uns estão cá para pagar e outros estão cá para não fazer nada e receber", disse o líder do Chega.

Marisa Matias criticou a posição de Ventura em relação aos migrantes e acusou-o de cobardia por "não ter o mínimo de pudor em apontar o dedo a quem não tem poder económico".

"Devemos olhar para posição de António Guterres nas Nações Unidas"

"Há responsabilidades nossas nas situações que estas pessoas atravessam", disse Marisa Matias, lembrando que o discurso de Ventura é xenófobo, racista e desconhecedor da realidade.

JOSÉ FERNANDES

Buscas no gabinete de Ventura

Durante a discussão entre os dois candidatos à Presidência da República, Marisa Matias acusou Ventura de ser o único candidato que teve a Polícia Judiciária no seu gabinete num caso de investigação a corrupção e fraude.

A candidata do Bloco perguntou três vezes a Ventura o que é que a PJ tinha ido fazer ao seu gabinete, mas saiu do debate sem resposta.

Final caótico e ameaça de desligar os microfones

Venezuela, China, Cuba e Marine Le Pen: falou-se de tudo um pouco na reta final do debate, em que os candidatos ignoraram as perguntas e em que houve uma troca de palavras acesa e confusa. A moderadora do debate Clara de Sousa admitiu mesmo desligar os microfones dos candidatos.

Debate na íntegra

O próximo debate na SIC Notícias vai opor Marisa Matias e Tiago Mayan Gonçalves e realiza-se no sábado às 22:00.

VISITE O ESPECIAL PRESIDENCIAIS 2021