Presidenciais

Do batom de Marisa Matias ao "avô bêbedo" Jerónimo de Sousa. Ventura deixa insultos aos adversários

No final, o líder do Chega foi recebido por um protesto antifascista.

André Ventura diz que no dia 24 de janeiro, data das eleições presidenciais, joga-se a confirmação da força do Chega. Durante a campanha, o líder do partido esteve em Portalegre, onde disparou insultos para todos os adversários e ouviu protestos contra o fascismo de um pequeno grupo de jovens da cidade.

Antes, subiu ao palco do Centro de Artes e Espetáculos, seguro de que seria bom se o país o ouvisse quando lhe diz “vem por aqui”. Ventura quer ir para São Bento, ainda que a corrida seja para Belém. E é a partir daqui que se solta um vendaval contra todos os outros candidatos às presidenciais, e não só.

Ventura só acredita na sondagem da rua, que lhe diz que está no caminho certo. Mas nas ruas de Portalegre encontrou um grupo de jovens manifestantes que veio de propósito dizer-lhe para não seguir esse caminho. O líder do Chega deixou o protesto para trás e foi um militante do partido que acabou por interagir com os manifestantes.

Acompanhe o especial Eleições Presidenciais