Football Leaks

Inspetor da PJ arguido por suspeitas de colaborar com a Doyen

Na 34ª sessão de julgamento de Rui Pinto, o Inspetor-chefe da PJ, Rogério Bravo, disse que tinha sido constituído arguido por suspeitas de ter colaborado com a Doyen.

O inspetor fez uma curta declaração logo no início da sessão. “Acho que não devo responder porque sou arguido. Sou arguido num processo, testemunha noutro“, foi assim que o inspetor chefe revelou que era arguido.

Em dezembro, o assessor jurídico da Doyen, fundo de investimento que terá sido alvo de tentativa de extorsão de Rui Pinto, Aníbal Pinto, revelou que foi Rogério Bravo que lhe enviou uma minuta de requerimento para enviar a PGR e ter-se-á oferecido para fazer a ponte entre a Doyen e um jornalista, para o fundo de investimento expor a sua versão dos factos.