Freitas do Amaral 1941-2019

Morreu Freitas do Amaral

LUSA

"Um dos pais da democracia portuguesa", considerou Marcelo Rebelo de Sousa.

Morreu o antigo presidente e histórico fundador do CDS, Diogo Freitas do Amaral. Tinha 78 anos.

O professor Freitas do Amaral estava internado desde setembro no Hospital da CUF, em Cascais, por causa de um cancro nos ossos. A morte foi confirmada pelo CDS.

Professor catedrático de Direito e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, marcou a história da política nacional em vários momentos. Foi candidato à Presidência da República, em 1986. Candidato a Belém com o apoio do PSD e do CDS, alcançou 48,8% dos votos na segunda volta, ficando muito próximo da vitória que coube a Mário Soares.

Diogo Pinto Freitas do Amaral nasceu na Póvoa de Varzim em 21 de julho de 1941. Foi líder do CDS, partido que ajudou a fundar em 19 de julho de 1974 e ministro em vários governos. Integrou os governos da Aliança Democrática (AD), entre 1979 e 1983, e mais da tarde do PS, entre 2005 e 2006.

Depois de ter deixado o CDS em 1992, ocupou a pasta dos Negócios Estrangeiros, onde deu grande impulso à diplomacia económica.

Marcelo lamenta morte de "um dos pais fundadores da democracia em Portugal"

O Presidente da República manifestou fundo pesar pelo falecimento de Freitas do Amaral, o qual descreve como "um dos pais fundadores da democracia em Portugal e um amigo pessoal de meio século".

"O Presidente da República, que, além do mais, perdeu um grande amigo pessoal de meio século, apresenta à sua Família a expressão de grande saudade, mas, sobretudo, da gratidão nacional para o que foi o papel histórico de ter sido aquele dos Pais Fundadores a integrar a direita conservadora portuguesa na Democracia constitucionalizada em 1976", lê-se numa nota publicada no site da Presidência.

Corpo vai para os Jerónimos e funeral no sábado em Cascais

O corpo de Freitas do Amaral vai para o Mosteiro dos Jerónimos, na sexta-feira, e o funeral decorrerá sábado no cemitério da Guia, Cascais, informou a família.

Governo vai decretar luto nacional

O primeiro-ministro lamentou a morte do fundador e primeiro líder do CDS e adiantou que o Governo vai decretar luto nacional no dia do seu funeral, que acontece no sábado.

"Acabou de falecer um dos fundadores do nosso regime democrático. À memória do professor Freitas do Amaral, ilustre académico e distinto Estadista, curvamo-nos em sua homenagem. Apresentamos à sua família, amigos e admiradores as nossas sentidas condolências", refere uma nota do gabinete de António Costa.

Último volume de memórias lançado em junho

Diogo Freitas Amaral apresentou em junho o 3º volume das suas memórias políticas. "Mais 35 anos de Democracia - Um percurso singular". Um balanço de 35 anos de Democracia, de 1982 até 2017, com reflexão sobre o percurso singular daquele que o Presidente da República considerou ser um dos pais da Democracia.

Cristas recorda coragem do fundador, CDS cumpre um minuto de silêncio

A notícia da morte de Freitas do Amaral, fundador do CDS, foi recebida durante um almoço de campanha para as legislativas em Barcelos, Braga, e a líder centrista pediu aos militantes que cumprissem um minuto de silêncio.

No almoço, Assunção Cristas evocou o passado de Diogo Freitas do Amaral, como fundador, e "a coragem" necessária para defender as ideias do partido no período pós-25 de Abril de 1974.

O partido informou que não vai cancelar a campanha eleitoral, mas que a irá adaptar devido à morte do fundador.