Glifosato: controvérsia persistente

Herbicida Roundup da Monsanto responsabilizado por cancro

O herbicida contribuiu para o cancro do septuagenário Edwin Hardeman.

O herbicida Roundup, da Monsanto, contribuiu para o cancro do septuagenário Edwin Hardeman, estimou hoje um júri dos Estados Unidos, infligindo mais um revés ao conglomerado agroquímico, que já fora pesadamente condenado num processo similar no verão passado.

Os jurados estimaram que o queixoso tinha demonstrado que o Roundup era um "fator substancial" do seu cancro, encerrando assim a primeira fase deste processo, aberto em 25 de fevereiro.

Por pedido do grupo alemão Bayer (que comprou a Monsanto no ano passado), os debates foram organizados em duas fases: uma, "científica", consagrada à responsabilidade do Roundup na doença, e uma segunda, para abordar uma eventual responsabilidade do grupo.

Quando o veredito foi divulgado, o queixoso e os seus advogados abraçaram-se. "Estamos muito satisfeitos", reagiu uma advogada de Hardeman, Jennifer Moore.

De sinal contrário foi a reação da Bayer que, em comunicado, declarou: "Estamos dececionados".

A segunda fase do processo, que é o primeiro ao nível federal, vai começar na quarta-feira e deve, desta vez, procurar resposta para as questões: a Monsanto conhecia os riscos? Escondeu-os? Se sim, quais são as indemnizações que deve pagar?

Em agosto, um veredito histórico condenou o grupo agroquímico a pagar 289 milhões de dólares (255 milhões de euros) a um jardineiro doente com cancro.

Lusa

  • “Falso testemunho”: o quarto episódio do “Vidas Suspensas”
    29:04