Glifosato: controvérsia persistente

Monsanto condenada a pagar nova indemnização de milhões a doente com cancro

Yves Herman

É a 2.ª condenação aplicada à maior empresa agroalimentar do mundo, após um 1.º processo que deu origem a uma indemnização de 290 milhões de dólares

Alexandria Sage

O juiz do tribunal de São Francisco deu como provado que o herbicida da Monsanto Roundup provocou cancro a um reformado de 70 anos.

Edwin Hardeman foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkin em 2015 e, um ano depois., avançou para tribunal contra a empresa, alegando que a doença foi provocada pelo Roundup, que usou por mais de 25 anos para na sua propriedade na Califórnia.

Na semana passada o tribunal já considerado o pesticida "um fator substancial" para a doença do arguido, que já entrou em fase de remissão.

Esta quarta-feira a justiça norte-americana condenou ainda a Monsanto por falhas na informação dada ao consumidor, que não continha qualquer referência aos riscos de cancro.

A indemnização de 80,3 milhões de dólares (mais de 71 milhões de euros) inclui ainda os prejuízos económicos e o sofrimento mental e surge meses depois de um tribunal da Califórnia condenar a maior empresa agroalimentar do mundo 290 milhões de dólares a um outro doente com cancro. Os jurados determinaram que a Monsanto não informou um jardineiro sobre os perigos de usar um herbicida com glifosato.

Este caso levou à queda das acções em bolsa da Bayer mais de 10%.

Para além destes dois processos em que já foi condenada, a Bayer (atual detentora da Monsanto) enfrenta cerca de 11.200 processos judiciais só nos Estados Unidos.