Glifosato: controvérsia persistente

Monsanto condenada a pagar dois mil milhões a casal com cancro

Charles Platiau

Os membros do casal responsabilizaram o herbicida Roundup pela doença.

Um júri dos EUA infligiu uma terceira penalização de peso à Monsanto, detida pela Bayer, ao condená-la a pagar uma indemnização de dois mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) a um casal norte-americano.

Doentes com cancro, os membros do casal responsabilizaram o herbicida Roundup pela doença, segundo os seus advogados.

O júri atribuiu "dois mil milhões de dólares" ao casal Pilliod, a título de indemnização "punitiva" para sancionar o fabricante de herbicida com glifosato, anunciou, em mensagem enviada por correio eletrónico à AFP, um dos gabinetes de advogados que fizeram a defesa do casal, que processou o grupo agroquímico num tribunal de Oakland, no oeste dos EUA.

Antes, por razões similares, o grupo foi condenado a pagar indemnizações de 81 milhões de dólares, em março último, e 290 milhões de dólares, em agosto do ano passado.

A utilização do glifosato, nomeadamente para eliminar ervas daninhas nos jardins e ruas das localidades, tem oposto ambientalistas e grupos de consumidores à indústria, com aqueles a dizerem que é um produto cancerígeno e esta a argumentar que é necessário para conseguir alimentos suficientes para a população.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o glifosato afeta o sistema endócrino e é uma "provável" substância cancerígena.

Lusa

  • Visíveis - Ruca
    31:30
  • A reação do presidente do Benfica no momento em que se sagra campeão
    0:35