Guerra Rússia-Ucrânia

Ucrânia "à caça" de traidores nas regiões reconquistadas

Ucrânia "à caça" de traidores nas regiões reconquistadas
GLEB GARANICH

A Rússia acusa a Ucrânia de assassinar civis em campos de filtragem.

A Ucrânia diz ter iniciado investigações sobre alegados crimes de guerra nos territórios que reconquistou às forças russas na região de Kharkiv, e desencadeou uma operação de detenção de “traidores e colaboradores pró-russos”.

“Os procuradores e investigadores estão a trabalhar, descobrindo novos crimes de guerra russos. Assassinato, tortura, destruição, como vimos em Bucha”, assegurou o procurador-geral da Ucrânia, Andriy Kostin.

O mesmo responsável indicou que foram criados 23 grupos móveis de procuradores, polícias, militares, membros dos serviços de segurança e outros peritos, para além de cinco "grupos temáticos" que investigam "factos de tortura de residentes locais e procurar quartéis e postos de comando da Federação russa" em Kharkiv.

A tarefa destes grupos consiste em recolher "todas as provas possíveis e documentá-las de acordo com os padrões internacionais" para que sejam utilizadas em tribunais ucranianos e internacionais.

O chefe do Gabinete da procuradoria regional de Kharkiv, Oleksandr Filchakov, assinalou que entre 9 e 11 de setembro foram recuperados seis corpos das aldeias de Hrakove e Zaliznychne.

Segundo afirmou, essas pessoas foram assassinadas por militares russos e enterradas por residentes locais.

Assegurou "existirem indícios de tortura" nos corpos. Em paralelo, as autoridades e forças militares e policiais ucranianas iniciaram operações de "estabilização" nos territórios recuperados.

Estas medidas incluem a detenção de "traidores" e "colaboradores" pró-russos.

"O Serviço de segurança [SBU] prossegue as medidas de estabilização em grande escala nas áreas de primeira linha do leste da Ucrânia. Apenas nos últimos dias após a desocupação na região de Kharkiv foram localizados e detidos 16 colaboradores locais", indicaram os serviços secretos de Kiev.

Rússia acusa Ucrânia de assassinar civis em campos de filtragem

O Gabinete estatal de investigação da Ucrânia (DBR) já informou no dia 9 que começou em Balakliya a "processar informação sobre pessoas que durante a ocupação temporária cooperaram com os agressores" e recordou que nestas situações se prevê uma pena até dez anos de prisão.

Por sua vez, a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, afirmou que as medidas de "filtragem" de Kiev nos territórios libertados implicam o "assassinato" de civis por parte dos "serviços especiais e formações armadas neonazis da Ucrânia".

Assegurou ainda que "milhares" de pessoas, "civis pacíficos", estão a ser submetidos e estas medidas de filtragem.

A Rússia também tem sido acusada pelo Departamento de Estado dos EUA e outros organismos de ter estabelecido entre 18 e 21 campos de filtragem em territórios ucranianos controlados pela Rússia, uma prática que Moscovo continua a negar apesar de diversos testemunhos em contrário.

Reconquista ucraniana

No campo de batalha, as forças ucranianas parecem centrar agora a sua contraofensiva não apenas no sul, mas também nas províncias de Donetsk e Lugansk, no leste.

O porta-voz militar da autoproclamada República popular de Lugansk (LNR), Andrei Marochko, reconheceu na quarta-feira que a situação é "realmente complicada" pelo facto de os ucranianos "terem chegado a algumas zonas muito próximas das fronteiras da região e estarem a uns dez quilómetros da linha de contacto".

Já o líder da República popular de Donetsk (DNR), também controlada em parte pelos secessionistas russófonos, reconheceu que o ponto mais crítico nos combates se centra em Lyman, mas assegurou que as forças pró-russas "estão a repelir as incessantes tentativas de inimigo de avançar".

Últimas Notícias
Mais Vistos