Guerra Rússia-Ucrânia

FMI garante que serão necessários três mil milhões/mês para apoiar a Ucrânia

FMI garante que serão necessários três mil milhões/mês para apoiar a Ucrânia
Alastair Grant
O Fundo Monetário Internacional está a trabalhar para definir um programa de empréstimos à Ucrânia.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que, na melhor das hipóteses, a Ucrânia vai precisar de um financiamento de três mil milhões de euros por mês durante o próximo ano.

Quem avança com esta informação é a diretora executiva do FMI, Kristalina Georgieva, que embora o melhor cenário exigisse três mil milhões de euros por mês em 2023, esses custos podem facilmente subir para quatro mil milhões “para cobrir importações adicionais de gás e reconstruir infraestruturas”. Sendo que "na pior das hipóteses, se o bombardeamento for ainda mais dramático, pode chegar a cinco mil milhões por mês", refere Kristalina Georgieva.

"Fizemos parte da solução durante a fase de emergência. Seremos parte da solução durante esta fase de recuperação", disse a líder do FMI.

A diretora do FMI elogiou os líderes ucranianos por continuarem a gerir e a administrar a economia em "tempos excecionalmente difíceis". "O país está a fazer um trabalho muito bom em fazer valer cada cêntimo, cada hryvnia, devo dizer", disse Georgieva, embora as receitas orçamentárias tenham permanecido severamente limitadas.

Já o presidente do Banco Europeu de Investimentos, Werner Hoyer, disse que não queria "deter-se nesses cenários horríveis" que estavam a assustar as pessoas.

“Precisamos de agir agora. Quanto mais a economia se mantiver resiliente, hoje, mais rápida será a recuperação amanhã. Quanto mais tarde começarmos, maior será a conta um dia.”, assume Werner Hoyer.

De acordo com a diretora o FMI encontrou-se, na semana passada, com as autoridades ucranianas em Viena para discutir as necessidades financeiras do país e assim trabalhar em políticas económicas necessárias à entrada do país na União Europeia.

Apoio europeu de 1,5 mil milhões

Hoje, terça-feira, decorreu a conferência sobre a reconstrução da Ucrânia em Berlim onde Ursula Von Der Leyen anunciou que, a partir de 2023, a União Europeia quer apoiar Kiev com 1,5 mil milhões de euros por mês.

A presidente da Comissão Europeia pediu apoio aos estados-membros para ajudar, de forma imediata, na reconstrução da Ucrânia. A proposta de Ursula Von der Leyen passa por um apoio "até 1,5 mil milhões de euros, todos os meses da guerra, o que daria, no total, à volta de 18 mil milhões de euros, em 2023".

Últimas Notícias