Histórias de 28mm

Varanasi é onde toda a gente quer ir na vida ou na morte

Rui Caria

Rui Caria

Rui Caria

Repórter de imagem/ Fotojornalista

Da festa das cores aos crematórios, num dos países mais poluídos do mundo. A experiência de uma viagem à Índia contada pelo repórter Rui Caria.

Muitas são as explicações sobre o aparecimento da festa das cores na Índia. Lá me foi dito que o "Holi Fest" existe há cinco mil anos e está ligado a crenças e a Deuses hindus.

Deuses que povoam, na alegria da cor ou na tristeza da morte, todo o quotidiano deste povo que vive num dos mais populosos e poluídos países do mundo.

Rui Caria

Rui Caria

A curiosidade e a perplexidade andam de mãos dadas nos olhares ocidentais sobre a Índia, seja na festa ou no luto, há sempre algo que nos faz parar para que possamos transformar o nosso espanto em resignação.

O "Holi Fest" é um festival que acontece todos os anos em dias específicos de fevereiro ou março; as datas são ditadas pelos ciclos da Lua, mas quase sempre, os dias mais intensos desta festa acontecem a partir de meados de março.

A alegria no lançamento das cores não nega a violência do próprio ato. Os torrões coloridos de pó, já bastante menos orgânico do que o usado há séculos, desfazem-se quando nos atingem, entrando invariavelmente pelos olhos e pela boca, deixando-nos sem ver e sem fôlego durante alguns minutos, sempre largos, para quem está aflito.

Rui Caria

O festival, que celebra a chegada da Primavera, começa cedo e dura toda a manhã do dia "principal".

As ruas e os templos das cidades de Mathura e Vrindavan, as duas onde se vive mais esta tradição, servem de palco à dança, à cor e à água que é lançada de todo o lado.

Toda a gente, locais e turistas, são tratados da mesma forma; empurrões e cotoveladas convivem na mesma intensidade com beijos e abraços, numa espécie de êxtase que toma conta de todos durante algumas horas.

Rui Caria

Rui Caria

A viagem que liga a festa ao recolhimento e meditação, dura cerca de 20 horas de comboio e apresenta-nos aquela que, segundo o seu povo, mantém a marca de "cidade mais antiga do mundo".

Rui Caria

Varanasi é onde toda a gente quer ir na vida ou na morte, assim me foi explicado, e nem precisava de ser; basta ver o "movimento espiritual" que ali acontece diariamente e depressa percebemos que estamos perante um mundo novo, onde a crença e a meditação fluem com o Ganges.

O rio leva tudo na corrente; tudo.

Há muito que o oxigénio abandonou as águas do Ganges, e apesar da política de limpeza dos rios que o governo indiano está a implementar agora, ainda não é possível ficar indiferente quando se vê gente a beber aquela água que dizem sagrada.

A água do Ganges encerra o mistério maior, e todos querem purificar-se, todas as madrugadas, todos os dias, durante séculos, naquelas águas que os invadem de amor, e, quem sabe, de outras eventuais doenças.

Rui Caria

Rui Caria

Rui Caria

Rui Caria

Varanasi é cada vez mais um lugar para turistas, isso percebe-se um pouco por toda a cidade, mas é à beira do rio que se concentram a maior parte das pessoas que querem ver e fotografar o dia-a-dia desta gente que está, cada vez mais, rendida à "invasão" ocidental.

Até os Shadus - homens santos - já esticam o braço depois da fotografia, na esperança que na mão lhe caiam uma Rupias, numa tentação que, até lhes pode manchar a alma, mas, certamente, confortará o corpo.

Fazem milhares de quilómetros para dar fim ao corpo dos familiares; é na fogueira que são cremados os mais puros. Os outros, os que não atingiram a "pureza" em vida, são lançados às águas do Ganges.

Os crematórios garantem a subida do espírito ao supremo, as cinzas que sobram da morte, são varridas para o rio. É proibido fotografar; dizem que é por respeito a não ser que se tenha autorização do governo, por dinheiro.

Rui Caria

Da festa das cores até ao negro das cinzas, tudo está representado na Índia.

O bom, o mau e o tanto que existe pelo meio destes dois valores, estão à mercê de serem vistos, cheirados e sentidos neste pedaço de mundo que não deixa ninguém indiferente às suas particularidades.