Histórias de 28mm

"Quando começou a pandemia fiquei com medo que elas não viessem. Mas vieram sempre"

Rui Caria

Rui Caria

Repórter de imagem/ Fotojornalista

Todos os dias, a Laura Lima e a Joana Rodrigues cuidam de pessoas que precisam de ajuda.

Todos os dias, a Laura Lima e a Joana Rodrigues cuidam de pessoas que precisam de ajuda. Era o que já faziam antes da pandemia, mas agora, com o aparecimento da covid-19, deixaram de ser apenas colegas de trabalho, e aprenderam a ser companheiras e amigas.

Estão juntas, todos os dias, das oito da manhã, às sete da tarde e durante sete dias seguidos. Depois, ficam uma semana em casa e outra equipa entra ao serviço. Tem sido assim desde o início da pandemia.

"Dantes o trabalho era rotativo; era uma colega diferente a cada semana. Agora não mudamos, somos equipas fixas."

Rui Caria

Rui Caria

Almoçam na carrinha, porque não há tempo a perder. Visitam trinta pessoas por dia. Umas estão acamadas, outras têm algumas limitações que não lhes permitem a completa liberdade e autonomia para realizarem as tarefas diárias.

A Laura, de 25 anos, trabalha como Ajudante Familiar Domiciliária, há cinco. A Joana, entrou na equipa do Lar Dom Pedro V, na Praia da Vitória, Ilha Terceira, há apenas um ano. Mas diz estar já certa do que quer continuar a fazer.

"Este é um trabalho que envolve muita dedicação, muito amor pelas pessoas, e felizmente todas temos esse amor por elas."

Rui Caria

Rui Caria

Rui Caria

Tratam da higiene diária destas pessoas, da alimentação ou simplesmente, da mudança de posição na cama, como conta o Ricardo, de 40 anos, natural da Ilha Terceira, que sofreu um acidente quando tinha apenas 17.

A mota ceifou-lhe os movimentos e deitou-o, para sempre, numa cama. Ficou tetraplégico há 23 anos, e desde essa altura, o Ricardo depende de ajuda para fazer as necessidades mais básicas que nos possamos lembrar. Refere com alegria o que sente por estas meninas, como lhes chama;

"São fundamentais, rimos conversamos e brincamos. Quando começou a pandemia e as pessoas tiveram de ficar em casa, fiquei com medo que elas não viessem. Mas vieram sempre". Diz, emocionado.

Rui Caria

Rui Caria

A Joana e a Laura percorrem o concelho da Praia da Vitória durante o todo o dia. Mudam de equipamento de proteção pessoal a cada casa que visitam.

Depois do Ricardo, foi a Maria de Fátima que as recebeu em casa. Aos oitenta anos, vive com o marido e o neto. Os diversos problemas de saúde prendem-na, durante quase todo o dia, ao sofá da sala ou à cama, para onde vai, depois das duas técnicas cuidarem da sua higiene.

Rui Caria

Rui Caria

"Isto é muito mais do que cuidar apenas da higiene, é estar com eles, é explicar-lhes coisas que alguns, por causa da idade bastante avançada ou doenças como a demência, já nem conseguem compreender. Mas tentamos na mesma, sempre."

Diz a Laura, que assegura, também, que o que nos foi dado a ver, hoje, foi apenas, uma pequena parte do tanto que passam, a cada dia, sempre que entram na casa e na vida destas pessoas.

"Nosso senhor ajude vocês e um resto de dia bom, meninas". Diz a dona Maria de Fátima, em jeito de despedida, já deitada na sua cama às quatro e meia da tarde.

  • 0:43