Incêndios na Amazónia

Merkel considera que "situação de emergência aguda" na Amazónia deve ser discutida no G7

Ueslei Marcelino

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registou quase 2.500 novos focos de incêndio no espaço de 48 horas em todo o Brasil.

Os incêndios na Amazónia constituem uma "situação de emergência aguda" que deve ser discutida na cimeira do G7 este fim de semana, declarou hoje o porta-voz de Angela Merkel, apoiando um pedido de Emmanuel Macron nesse sentido.

"A chanceler está convencida" de que a questão "deve integrar a agenda dos países do G7 quando eles se reunirem este fim de semana" em Biarritz, em França, declarou Steffen Seibert, porta-voz da chefe do Governo alemão, numa conferência de imprensa em Berlim.

"A chanceler apoia completamente o Presidente francês" neste assunto, adiantou.

Seibert disse ainda que "a magnitude dos incêndios no território da Amazónia é assustadora e ameaçadora, não apenas para o Brasil e os outros países envolvidos, mas para o mundo inteiro".

Na véspera, o Presidente francês, Emmanuel Mácron, referiu na rede social Twitter os fogos que devastam a maior floresta tropical do planeta, falando de "crise internacional" e pedindo aos países industrializados do G7 "para falarem desta emergência".

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, respondeu acusando o seu homólogo francês de ter "uma mentalidade colonialista" e de pretender "instrumentalizar" o assunto "para ganhos políticos pessoais".

O secretário-geral da ONU, António Guterres, tinha desencadeado a salva de apelos para salvar a Amazónia declarando-se "profundamente preocupado" com os incêndios, através do Twitter.

Embora o avanço dos fogos seja difícil de avaliar, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registou quase 2.500 novos focos de incêndio no espaço de 48 horas em todo o Brasil.

Segundo o INPE, o número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada.

Lusa