Incêndios na Amazónia

Canadá oferece aviões e 10 milhões de euros para ajudar Amazónia

JOEDSON ALVES

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa no final da reunião do G7.

O Canadá ofereceu esta segunda-feira o envio de aviões-cisterna e 15 milhões de dólares canadianos (cerca de 10,2 milhões de euros) para ajudar a combater os fogos na Amazónia, anunciou o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau.

O anúncio, feito por Trudeau durante a sua conferência de imprensa no final da reunião do G7, em Biarritz (França), é independente do plano que o grupo de países concordou para combater os incêndios na floresta e o desmatamento.

"Não posso falar pelos meus parceiros do G7, mas estamos felizes em anunciar aqui e agora que o Canadá investirá 15 milhões de dólares canadianos nestes incêndios florestais e enviará aviões-cisterna, de que necessitam tanto", afirmou.

Os países do G7 decidiram desbloquear uma ajuda de emergência de 20 milhões de dólares (cerca de 17,95 milhões de euros) para o envio de aviões Canadair para combater os incêndios na Amazónia, disse hoje a presidência francesa.

Além do envio da frota de aviões, o grupo dos sete países mais ricos (G7), que está reunido em cimeira na cidade francesa de Biarritz, concordou em disponibilizar um fundo de longo prazo para o reflorestamento da Amazónia, cujo projeto será apresentado à Assembleia Geral da ONU no final de setembro.

O gabinete do Presidente francês, Emmanuel Macron, explicou que este plano de reflorestamento precisa ainda do acordo do Governo brasileiro e deverá ser articulado com as organizações não-governamentais no terreno, bem como com a população local.

A presidência francesa considera que a Amazónia é o "pulmão do planeta", mas considera que também em África o problema da florestação é de resolução urgente, esclarecendo que está empenhada em mobilizar a comunidade internacional para estudar plano similares para o combate os incêndios nas suas florestas tropicais.

Emmanuel Macron disse que os EUA apoiam estas iniciativas, embora admitisse que o Presidente Donald Trump não esteve presente na sessão de trabalho da cimeira do G7 dedicada às questões ambientais.

Os satélites registaram mais de 41 mil incêndios na região da Amazónia durante este ano, com mais de metade a ocorrerem no mês de agosto.

Lusa