Incêndios na Amazónia

Disparam os problemas respiratórios devido ao fumo dos incêndios na Amazónia

Paulo Whitaker/ REUTERS

"As crianças são as mais afetadas. Elas tossem muito", explica uma enfermeira e mãe de um menino de 5 anos com problemas respiratórios, no Hospital de Porto Velho.

Os brasileiros estão preocupados com o possível aumento de problemas respiratórios, em especial entre crianças e idosos, devido ao fumo proveniente dos incêndios na Amazónia.


"As crianças são as mais afetadas. Elas tossem muito", disse Elane Diaz, uma enfermeira que esperava com o seu filho de 5 anos por uma consulta no Hospital da cidade de Porto Velho, no estado da Rondônia.


O número de pessoas tratadas por problemas respiratórios aumentou acentuadamente nos últimos dias no Hospital Infantil Cosme e Damião, em Porto Velho.


"Este período tem sido muito difícil. O tempo seco e o fumo causam muitos problemas nas crianças, como pneumonia, tosse e secreção", disse Daniel Pires, pediatra e diretor-adjunto do hospital ao jornal Folha de S. Paulo.


"De 1 a 10 de agosto, a média de casos foi de cerca de 120 a 130 crianças com problemas respiratórios. De 11 a 20 de agosto subiu para 280 casos", indicou.


O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada.

Troca de acusações entre Bolsonaro e Macron


Os incêndios na Amazónia provocaram uma enorme onda de preocupação na comunidade internacional e geraram uma troca de palavras entre Jair Bolsonaro e Emmanuel Macron.


O líder francês, que ameaçou não apoiar o acordo de livre comércio alcançado pelo Mercosul e a União Europeia, devido à alegada falta de compromisso de Bolsonaro com o ambiente, anunciou que o G7 fornecerá uma ajuda imediata de 20 milhões de dólares (17,95 milhões de euros) para combater o incêndio na maior floresta tropical do mundo.


Na terça-feira, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, admitiu aceitar dinheiro do G7 (que junta os países mais industrializados do mundo) para combater incêndios na Amazónia se o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, retirar aquilo que considerou como insultos.


A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta.


Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).


O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro anunciou que a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em julho, em relação ao mesmo mês de 2018.

Com Lusa