Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Grã-Bretanha domina vela com cinco medalhas, três de ouro

CJ GUNTHER

Vitória na prova mista de Nacra 17 foi da dupla italiana Ruggero Tita e Caterina Banti.

A Grã-Bretanha, com cinco medalhas, três delas de ouro, dominou o programa olímpico da vela em Tóquio2020, que terminou hoje com a vitória da dupla italiana Ruggero Tita e Caterina Banti na prova mista de Nacra 17.

Os transalpinos tiveram como companhia no pódio os britânicos John Gimson e Anna Burnet, medalha de prata, e os alemães Paul Kohlhoff e Alica Stuhlemmer, que ficaram com o bronze.

A Grã-Bretanha fechou, assim, com três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, numa modalidade em que se destacaram ainda a Austrália, com duas medalhas de ouro, e os Países Baixos, com uma de prata e duas de bronze.

Os velejadores portugueses José Costa e Jorge Lima fizeram história, ao participar na decisiva regata para atribuição de medalhas na classe 49er, tendo terminado em sétimo.

Os lusos, que tinham entrado na regata decisiva no sexto lugar, foram penalizados por uma situação à partida e fecharam com 94 pontos, a 24 das medalhas.

Este foi o melhor resultado olímpico dos velejadores que, juntos, tinham estado no Rio2016, onde foram 16.º. José Costa tinha sido olímpico também em Pequim2008, quedando-se pelo 11.º com Francisco Andrade.

A prova foi conquistada pelos britânicos Dylan Fletcher e Stuart Bithell, enquanto os neozelandeses Blair Tuke e Peter Burling alcançaram a prata e os alemães Erik Heil e Thomas Ploessel o bronze.

Os irmãos Diogo e Pedro Costa terminaram a classe 470 no 15.º lugar, em que eram os mais jovens da frota, falhando o objetivo de garantir um lugar na regata das medalhas, enquanto Carolina João terminou na 34.ª posição no lazer radial.

CONSULTE AQUI O MEDALHEIRO OLÍMPICO

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia