Jogos Paralímpicos

Portugal fecha Jogos Paralímpicos com sexto e oitavo lugares na maratona

Miguel A. Lopes

Os portugueses Odete Fiúza e Manuel Mendes terminaram nas sexta e oitava posições, respetivamente, a maratona dos Jogos Paralímpicos.

Os portugueses Odete Fiúza e Manuel Mendes terminaram este domingo nas sexta e oitava posições, respetivamente, a maratona dos Jogos Paralímpicos das classes T11 e T46, fechando a participação lusa na competição.

Na prova para atletas T11 (deficiência visual), Odete Fiúza, que somou a sua sétima participação em Jogos Paralímpicos, cronometrou 3:20.45 horas, ficando a 19.55 minutos da vencedora, a japonesa Misato Michishita (3:00.50).

Odete Fiúza garantiu ter-se sentido muito satisfeita e uma privilegiada por ter participado na maratona T11 (deficiência visual), que terminou na sexta posição.

"Foi espetacular, foi um privilégio poder correr nas ruas de Tóquio, com público a aplaudir, sobretudo no atual contexto de pandemia", disse a atleta, de 49 anos, que à sétima participação em Jogos Paralímpicos se estreou na maratona, tendo como guias Vera Nunes e António Sousa.

Miguel A. Lopes

Depois de há cinco anos ter sido bronze nos Jogos Rio2016, Manuel Mendes, que não tem parte do braço esquerdo, terminou a prova em 2:45,11 horas, a 19.21 minutos do vencedor, o chinês Chaoyan Li, que correu em 2:25.50 e estabeleceu novo recorde paralímpico.

O atleta Manuel Mendes, medalha de bronze há cinco anos nos Jogos Paralímpicos Rio2016, admitiu hoje não ter saído totalmente satisfeito da maratona T46 dos Jogos Tóquio2020, na qual foi oitavo.

"Julgo que fiz um bom trabalho, mas não saio totalmente satisfeito, porque acho que tenho condições para fazer melhor, mas saio com um diploma, por isso não posso ir totalmente desiludido, agora é descansar e refletir e analisar o que não correu tão bem", admitiu o atleta de 50 anos, que não tem parte do braço esquerdo.

Os diplomas conseguidos por Odete Fiúza e Manuel Mendes elevam para 23 o número de distinções conquistadas por Portugal, que soma duas medalhas de bronze, garantidas no lançamento do peso e na canoagem.

Miguel A. Lopes

  • 3:13
  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia