José Sócrates: O Confronto

José Sócrates irrita-se e grita com o Procurador

Exclusivo SIC

José Sócrates irrita-se e grita com o Procurador

A acusação da Operação Marquês diz que o primeiro pagamento a José Sócrates, vindo do Grupo Espírito Santo, foi feito através do BES Angola. Os intermediários terão sido Hélder Bataglia, presidente da Escom, e José Paulo Pinto de Sousa, primo de Sócrates. Bataglia diz que foi apenas um empréstimo e que não sabia que o dinheiro tinha sido usado para fazer pagamentos alegadamente em favor do antigo primeiro-ministro.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • A nuvem opaca à volta da Zyrcan
    3:25

    José Sócrates: O Confronto

    Focada nos pagamentos, a Operação Marquês dedicou pouco tempo a olhar para a forma como se financiava a ES Enterprises, o alegado saco azul. Ainda assim, a Autoridade Tributária dedicou alguns parágrafos a descrever a forma como entrava o dinheiro que serviria depois para pagar luvas milionárias a figuras como José Sócrates, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. Os muitos milhões vinham, sobretudo, de um veículo financeiro, que tinha lucros astronómicos em negócios com os clientes do GES.

  • Ricardo Salgado: "Devo dizer que nunca vi tanta mentira junta"
    2:20

    José Sócrates: O Confronto

    José Sócrates e Ricardo Salgado já negaram várias vezes terem uma relação próxima. Garantem, aliás, que até se desentenderam, pouco antes de Sócrates sair do Governo. O Ministério Público insiste que os dois foram aliados no condicionamento de vários negócios da PT, que geraram dezenas de milhões de euros de luvas. E usa uma escuta telefónica como prova, para contradizer a versão dos arguidos.