Julho sem plástico

Indústria têxtil é a segunda mais poluente do mundo 

Rui Rocha

Rui Rocha

Editor de Imagem

Portugueses deitam foram, por ano, 200 mil toneladas de têxteis, de acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente.

As nossas escolhas têm um impacto direto no planeta. No que toca aos textêis, os números dão que pensar.

80% das fibras utilizadas na produção de roupa não são recicladas, o que faz com que sejam gastos mais recursos, como por exemplo água.

Uma t-shirt feita produzida a partir de algodão convencional gasta 2700L de água, o equivalente ao consumo médio por pessoa durante dois anos e meio. Mas se for utilizado algodão reciclado são poupados cerca de 1600L de água.

Ao longo dos ano verificou-se um aumento do cusumo têxtil, devido aos preços mais baixos e à facilidade em comprar produtos através da internet.

Antes existiam apenas 2 coleções de roupa por ano, agora há entre 50 a 100 microcoleções e metade roupa é descartada em menos de um ano.

De acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente os portugueses deitam, por ano, 200 mil toneladas de têxteis para o lixo.

A partir de 2025 a recolha deste tipo de resíduos passará a ser obrigatória, uma medida que tem como objetivo diminuir o impacto de uma das indústrias mais poluentes.

UM DESAFIO PARA JULHO: O MÊS SEM PLÁSTICO

Julho é considerado o mês internacional sem plástico.

Há uma década que este mês é um desafio global para conservar o planeta. A iniciativa já chegou a 250 milhões pessoas de 177 países.

As saquetas de chá libertam microplásticos?

Uma escova de dentes pode demorar 400 anos a decompor-se

O que fazer com as cápsulas de café?

Em 2018 foram produzidas 600 toneladas de plástico em Portugal

Portugal é dos países europeus que mais usa sacos de plástico