Massacre em Orlando

Mulher do terrorista de Orlando foi detida

A mulher do autor do massacre de Orlando, ocorrido em junho passado nos Estados Unidos, foi acusada de ter prestado auxílio ao Daesh e de obstrução à Justiça.

A companheira de Omar Mateen, abatido pela polícia depois de ter matado 49 pessoas na discoteca da Florida, foi detida em casa pelo FBI.

A mulher norte-americana, de origem palestiniana, terá ajudado o marido e a organização terrorista a que ele aderiu. O ataque à discoteca Pulse foi o mais mortal a seguir aos ataques do 11 de setembro de 2001.

  • Portuguesa em Orlando diz que não se vê ninguém na rua
    3:25

    Mundo

    Carla Duarte está num hotel na Florida, onde falou à SIC em direto sobre o furacão Matthew que está a afetar zona. A portuguesa diz que o vento está mais calmo, contudo o nevoeiro cerrado continua. Carla Duarte afirma ainda que não se vê ninguém na rua. Todas as informações - como manter-se dentro de casa - estão a ser dadas por televisão.

  • As chamadas de emergência da noite do massacre em Orlando
    1:11

    Massacre em Orlando

    Vários telefonemas feitos para a linha de emergência norte-americana na noite do massacre numa discoteca LGBT em junho, em Orlando, já foram divulgadas. Grande parte das chamadas foram feitas por pessoas que se encontravam no interior da discoteca. no momento do ataque, mas há também muitos telefonemas de familiares. O atentado foi levado a cabo por Omar Mateen, um americano de origem afegã, e reivindicado pelo Daesh, apesar das autoridades acreditarem que Mateen agiu sozinho e sem ordens superiores. Foram mortas 49 pessoas e feridas 53.

  • Barack Obama homenageia vítimas do ataque em Orlando
    1:56

    Mundo

    O Presidente e o vice-presidente dos Estados Unidos foram hoje visitar o local do massacre, em Orlando e encontraram-se com alguns familiares das 49 vítimas mortas a tiro na discoteca. As mais altas figuras políticas dos Estados Unidos estão na Flórida para homenagear as vítimas do massacre do último sábado. O diretor da CIA diz que não foi encontrada qualquer ligação direta entre o atirador e os grupos terroristas estrangeiros.