Orçamento 2020

Marcelo "descansado" com a aprovação do Orçamento do Estado

Marcelo "descansado" com a aprovação do Orçamento do Estado

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

Rafael Homem

Rafael Homem

Repórter de Imagem

Presidente da República defende que o que "é natural" é que o Orçamento seja aprovado à esquerda.

Excedente orçamental em Portugal não é, para Marcelo Rebelo de Sousa, "um fetiche", "uma questão de mania ou moda". Foi isto que o Presidente da República disse no discurso de encerramento do 7º Encontro Anual da Diáspora, uma rede de conselheiros que promove Portugal no mundo.

Mas se em 2020, o Governo conta com um saldo positivo, então o Presidente acredita que é uma tendência. Ou melhor: a inversão de uma sina nacional - e até disse "espécie de maldição" - que é ter que estar sempre a resolver o problema da estabilidade financeira.

O facto histórico, assinalado pelo Presidente, na presença dos ministros Siza Vieira, da Economia e Transição Digital, e Augusto Santos Silva, dos Negócios Estrangeiros, não foi um "problema" identificado pelos partidos, nas audiências desta semana em Belém.

Questionado se ficou mais preocupado ou mais descansado, depois de ter ouvido todos os grupos parlamentares, foi perentório: "mais descansado". Disse estar confiante na aprovação do documento e acrescentou que é "natural" que seja à esquerda.

No entanto, reconheceu que os partidos e o Governo têm trabalho pela frente para discutirem as opções e sobretudo a ideia de se é possível "ir mais longe" nalgumas medidas.

  • 76 mortes e 4.268 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço de vítimas da Covid-19 em Portugal é de 76 mortes e 4.268 infetados. Mais 16 óbitos e 724 casos em relação a ontem. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson testou positivo para o novo coronavírus. Está em isolamento, mas vai continuar a liderar a resposta britânica à pandemia. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    SIC Notícias