Polígrafo SIC Europa

União Europeia quer construir um muro para impedir imigração ilegal?

HUSEYIN ALDEMIR

A informação foi avançada pela Associated Press que diz que a União Europeia está a construir um muro tecnológico na fronteira entre a Grécia e a Turquia.

No Reddit, uma publicação que já acumula centenas de comentários garante que a União Europeia está a testar muros de som para impedir a entrada de imigrantes ilegais.

A publicação baseia-se num artigo da Associated Press, publicado a 31 de maio. Neste artigo, com o título “Europa pós-pandemia, migrantes vão enfrentar fortaleza digital”, explica-se que “a polícia fronteiriça grega esteve a testar um dispositivo de som que impede imigrantes de se aproximarem das fronteiras”. A agência de notícias revela que, ao longo dos meses da pandemia, foi testado e implementado um arsenal de novas tecnologias – câmaras de longo alcance, visão noturna, vários sensores, identificação biométrica e até um polígrafo com recurso a inteligência artificial – para impedir a imigração ilegal ao longo de 200 quilómetros da fronteira entre a Grécia e a Turquia.

A Associated Press compara a “parede de aço”, construída na Grécia, com o muro erguido entre os Estados Unidos e o México durante a administração de Donald Trump. Além disso, a agência de notícias afirma que esta é uma política de imigração que tem sido desenhada pelas instituições da União Europeia durante os últimos cinco anos, reforçando as competências da Agência Europeia de Gestão e Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas (Frontex).

Em novembro de 2019, a Frontex foi reforçada com mais 10 mil colaboradores e equipamento técnico. De acordo com a sua regulação, acordada pelo Conselho Europeu e pelo Parlamento Europeu, a agência europeia tem como funções “participar no desenvolvimento e gestão da investigação e das atividades inovadoras relevantes para o controlo das fronteiras externas, incluindo com o uso de tecnologia de vigilância avançada e com o desenvolvimento de projetos-piloto”. Pode consultar aqui.

Mas ao Polígrafo SIC Europa, fonte oficial da Comissão Europeia explica que “a Frontex não é uma organização de desenvolvimento de tecnologia, por isso este arsenal de tecnologia implementado na fronteira grega não é responsabilidade da agência”. A instituição europeia diz a “colocação de infraestrutura nas fronteiras é da responsabilidade dos Estados-membros, mas isso tem que ser feito em linha com os Direitos Fundamentais, nomeadamente aqueles que regulam a dignidade humana.

A Comissão Europeia já contactou as autoridades gregas para perceber o que se passou na fronteira, nomeadamente com o dispositivo de som de longo alcance”. A Comissão explica, ainda, que este “canhão de som” não é financiado por fundos europeus. Acrescenta que o “Novo Pacto que a Comissão está a propor é um sistema de gestão que dignifica e humaniza os migrantes, nomeadamente através de procedimentos mais rápidos e justos e mecanismos de monitorização nas fronteiras externas que salvaguardem a lei da União Europeia”.

Posto isto, é falso que a União Europeia esteja a construir um muro para impedir que imigrantes entrem de forma ilegal na União Europeia.

Avaliação Polígrafo SIC Europa: Falso

Veja também:

A União Europeia nem sempre é bem entendida e muitas vezes é alvo de notícias falsas e manipulações.

No ano em que Portugal assume pela quarta vez a presidência da UE, entre 1 de janeiro e 30 de junho, o Polígrafo SIC abre espaço ao fact-checking dedicado aos assuntos europeus e à forma como influenciam os 27 Estados-membros.

"Este projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.”