Protestos na Catalunha

Governo de Espanha adia negociações com independentistas catalãos

QUIQUE GARCIA

Adidadas para depois das eleições regionais antecipadas na Catalunha.

A convocação de eleições regionais antecipadas na Catalunha vai adiar as negociações entre o governo socialista de Pedro Sánchez e o executivo regional para tentar resolver a crise na região, anunciou esta quinta-feira o governo espanhol.

"O governo espera poder iniciar o diálogo quando o povo catalão tiver falado (...). Quanto mais depressa se realizarem as eleições e for formado um novo governo (na Catalunha), mais depressa começaremos a dialogar", indicou o executivo espanhol num comunicado.

O presidente regional da Catalunha, o independentista Quim Torra, anunciou na quarta-feira a convocação de eleições antecipadas devido à crise aberta entre os dois partidos independentistas que formam o governo regional, o Juntos pela Catalunha (JxC) e a Esquerda Republicana da República (ERC).

As eleições antecipadas serão convocadas depois da aprovação do Orçamento catalão, daqui a três meses.

Os dois partidos estão divididos sobre a estratégia do movimento separatista.

Torra, que pertence ao JxC, não marcou uma data para o escrutínio, indicando apenas que só se realizará após a aprovação do orçamento pelo parlamento regional, o que deverá levar cerca de dois meses.

As negociações sobre a Catalunha para encontrar uma solução para a "crise política" na região foram aceites por Sánchez em troca do apoio à sua recondução como primeiro-ministro no início de janeiro por parte da ERC.

Os socialistas e a ERC deviam criar a estrutura de negociação num "prazo de 15 dias".

Após o anúncio do adiamento das negociações, Sergi Sabria, dirigente da ERC, considerou tratar-se de "uma violação flagrante do acordo e uma irresponsabilidade absoluta".

O governo espanhol, por seu turno, confirmou a realização de uma reunião entre Sánchez e Torra na próxima quinta-feira, que era um pré-requisito para o acordado diálogo.