Protestos em Hong Kong

Mais dois deputados pró-democracia foram detidos pela polícia

Danish Siddiqui

Dirigentes do movimento de protesto consideram que se trata de atos de intimidação.

Mais dois deputados pró-democracia foram detidos hoje em Hong Kong, elevando para três o número de parlamentares sob custódia policial, informaram associações cívicas, considerando que se trata de atos intimidatórios.

Nok-hin e Jeremy Tam foram detidos por obstrução à polícia, disse o partido Paixão Cívica, na sua página na rede social Facebook.

Na sexta-feira da passada semana, e pela primeira vez desde o início da mobilização em junho, um deputado, Cheng Chung-tai, também tinha sido detido, segundo fontes do mesmo partido pró-democracia.

Dirigentes do movimento de protesto consideram que se trata de atos de intimidação que se juntam ao anúncio de proibição de uma grande manifestação, marcada para sábado.

O anúncio foi feito pelo próprio movimento que tem liderado desde junho os maiores protestos em Hong Kong, após perder o recurso contra a decisão da polícia de proibir as iniciativas.

A organização lamentou que, com a proibição do protesto, as autoridades de Hong Kong estejam "a violar um direito básico da população".

Hoje, dois ativistas políticos, Joshua Wong e Agnes Chow, foram libertados e prometeram continuar a luta pela democracia em Hong Kong, depois de serem detidos e acusados de incitamento à participação num protesto não autorizado em junho.

A região de Hong Kong continua a viver uma crise política que dura há três meses, com manifestações quase diárias, que já implicaram duros confrontos com a polícia.

Lusa