Revista do Ano 2017

Elon Musk, o visionário que quer colonizar Marte

Rita Pedras

Jornalista

Elon Musk é um dos empreendedores mais admirados em todo o mundo. Visitar frequentemente a Estação Espacial Internacional, construir um "tubo mágico" para transportar pessoas em cápsulas e colonizar Marte são alguns dos planos do sul-africano que promete revolucionar o estilo de vida de todos.

O maior visionário de Silicon Valley?

Elon Musk tem 46 anos e uma fortuna pessoal avaliada em 13,9 mil milhões de dólares (11,7 mil milhões de euros, aproximadamente), segundo um ranking feito em março pela revista Forbes. O visionário é ainda a 12.ª pessoa mais rica na área da tecnologia e ocupa o 21.º lugar no ranking das pessoas mais poderosas do mundo.

Musk nasceu e cresceu na África do Sul e imigrou com a mãe para o Canadá aos 17 anos. No entanto, não se deixou ficar muito tempo e partiu para o país vizinho, onde estudou Física na Universidade da Pennsylvania. Com apenas 24 anos começou o doutoramento em Física Aplicada na Universidade de Stanford, mas não chegou a terminá-lo.

Aos 26 anos, Elon Musk começa a perceber que dinheiro gera dinheiro, quando desiste do doutoramento e cria a empresa Zip2 com o irmão. Dois anos depois, em 1999, vendeu a empresa à Compaq por cerca de 288 milhões de euros (260 milhões em dinheiro e 28 milhões em ações, valores aproximados). Do negócio que criou com o irmão, Elon Musk recebeu 18 milhões de euros e assim começaram os grandes negócios.

Com os 18 milhões cria uma empresa que alguns anos mais tarde vem a chamar-se PayPal. Musk é afastado da liderança da empresa, que em 2002 acaba por ser vendida ao eBay por 1,3 mil milhões de euros.

Com 31 anos e um investimento de 100 milhões de euros, Musk arrisca e decide ir ainda mais longe, criando a SpaceX, uma empresa de exploração espacial.

Os fundadores da PayPal Peter Thiel e Elon Musk em 2000.

Os fundadores da PayPal Peter Thiel e Elon Musk em 2000.

PAUL SAKUMA

Corrida ao espaço

Em 2002 nasceu a SpaceX com o objetivo específico de colonizar Marte. A SpaceX tem-se dedicado à produção de tecnologias renováveis, que podem tornar as viagens ao espaço mais viáveis a nível financeiro.

A empresa de exploração espacial cresceu exponencialmente com a ajuda de vários investidores. Em 2005 tinha 600 funcionários e em abril deste ano contava com seis mil funcionários e com mais de 50 lançamentos de foguetões.

A SpaceX foi a primeira empresa privada a conseguir um contrato com a NASA para participar numa missão de abastecimento da Estação Espacial Internacional.

Em 2014, Elon Musk apresentou a cápsula Dragon V2 para transportar pessoas para o planeta vermelho.

Elon Musk espera que em 2040 existam 80 mil pessoas a viver de forma autossustentável em Marte, com casas inteligentes e transportes elétricos.

Mas os investimentos não ficaram por aqui. Com o dinheiro que recebeu da venda da PayPal, investiu quase 60 milhões de euros na Tesla Motors e oito milhões na SolarCity.

Elon Musk no lançamento da nave espacial The Dragon V2, da SpaceX, na cidade de Hawthorne, na Califórnia, a 29 de maio de 2014.

Elon Musk no lançamento da nave espacial The Dragon V2, da SpaceX, na cidade de Hawthorne, na Califórnia, a 29 de maio de 2014.

Mario Anzuoni

A inovadora Tesla

Em 2004 - apenas dois anos depois de ter criado a SpaceX - Musk passa a fazer parte de uma empresa tão ou mais revolucionária: a Tesla Motors. Musk liderou a primeira série de investimentos da empresa de veículos elétricos e em fevereiro desse ano tomou posse como presidente da gigante tecnológica.

Em 2008, assume a liderança das operações e torna-se CEO da Tesla, quando a empresa estava a enfrentar graves problemas financeiros.

Nesse mesmo ano, a empresa apresenta o primeiro veículo elétrico - o Tesla Roadster - que prometia chegar aos 100km/h em 3,9 segundos. Foram vendidos cerca de dois mil carros com um preço-base de 93 mil euros.

O pioneiro Tesla Roadster numa apresentação em San Carlos, Califórnia, a 30 de junho de 2008.

O pioneiro Tesla Roadster numa apresentação em San Carlos, Califórnia, a 30 de junho de 2008.

Robert Galbraith

O segundo modelo apresentado - o Model S - teve mais sucesso que o Roadster a um preço mais acessível (preço-base de 53 mil euros).

O terceiro modelo apresentou-se como mais familiar e de baixo custo. O Tesla Model 3 é o último modelo apresentado pela marca e foi produzido com os lucros das vendas dos outros carros, tornando este modelo mais económico e sustentável (preço-base de 30 mil euros).

Em 2016, houve grande especulação sobre a possibilidade da Tesla instalar uma fábrica de baterias em Portugal, mas tudo não passou de uma ideia.

Em Portugal já é possível reservar um Tesla por mil euros, no entanto, não é possível saber o valor do Tesla Model 3.

Elon Musk estima que a partir deste mês a Tesla produza 20 mil Modelos 3 por mês, com o objectivo de chegar a 500 mil no fim de 2018.

Recentemente, a marca voltou a surpreender com a apresentação de um camião com uma autonomia de 800 quilómetros.

Mas a Tesla não se ficou pelos carros. Para além de estar a redefinir o futuro da indústria automóvel, a empresa está também a mudar a forma como as pessoas vão viver no futuro.

O CEO da Tesla, Elon Musk, durante a apresentação de camiões elétricos a 16 de novembro em Hawthorne, na Califórnia, EUA.

O CEO da Tesla, Elon Musk, durante a apresentação de camiões elétricos a 16 de novembro em Hawthorne, na Califórnia, EUA.

Reuters Staff

As telhas fotovoltaicas

Para além dos automóveis elétricos, a Tesla entrou no mercado das telhas, tornando-as sustentáveis e mais baratas que as tradicionais.

A Tesla começou a comercializar as telhas fotovoltaicas em maio deste ano, mas em Portugal só estarão disponíveis no próximo ano.

O chamado Solar Roof (telhado solar, traduzido) converte a luz solar em eletricidade, com a ajuda da Powerwall, uma bateria que faz parte do telhado e que capta a luz solar durante o dia e a armazena até ser utilizada.

Elon Musk consegue assim criar um ambiente e um estilo de vida quase todo autossustentável, com uma casa alimentada por energia solar, bem como o carro (Tesla).

Nichola Groom

O adeus à equipa de Trump

Donald Trump anunciou a 6 de junho a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, sobre as alterações climáticas. O presidente norte-americano defendeu que o acordo "não era vantajoso" e deixou a garantia de que a administração iria sempre priorizar os trabalhadores americanos, acima de qualquer acordo climático.

O Acordo de Paris foi estabelecido em dezembro de 2015 para combater o aquecimento global, através da redução das emissões de gases com efeito de estufa em cerca de 200 Estados.

A decisão de Trump teve imediatamente repercursões na administração norte-americana, com a saída de Elon Musk e Bob Iger (diretor da Disney) do grupo de conselheiros.

"Estou de saída do conselho presidencial. As alterações climáticas são reais. Abandonar Paris não é bom para a América nem para o mundo", defendeu Musk no Twitter.

O empreendedor tentou várias vezes impedir que Trump optasse pela saída do Acordo de Paris, mas sem sucesso.

COLONIZAÇÃO DE MARTE

"Está pronto para morrer? Se estiver, então é um candidato para ir”, defendeu Elon Musk sobre a possibilidade de lançar a primeira tripulação em 2024 para Marte.

Elon Musk estima que o foguetão que vai permitir levar pessoas a Marte custe cerca de 8,4 mil milhões de euros a ser produzido e que serão necessários 10 mil voos para colonizar o planeta vermelho. O visionário espera que cada voo transporte cerca de 100 pessoas e que os preços da viagem variem entre os 100 mil e os 200 mil dólares.

O empreendedor defende ainda que Marte deverá ser totalmente autossustentável entre 40 a 100 anos.

Elon Musk admite no entanto, que existe um elevado risco de morte nas primeiras viagens a Marte e que os candidatos devem estar preparados para uma "perigosa aventura".

A NASA anunciou que quer enviar pessoas para Marte por volta de 2030 e para tal, já manifestou o seu apoio à primeira missão da SpaceX a Marte, que tem lançamento programado para 2018.

No entanto, o plano sofreu algumas alterações após a explosão do foguetão Falcon 9 da Space X no início de setembro de 2016, durante a realização de testes no Cabo Canaveral, na Florida, nos EUA.

"Acha que sou louco?"

Ashlee Vance, o jornalista que escreveu a autobiografia de Elon Musk, relata no livro que o empreendedor o questionou sobre a sua sanidade durante um jantar num restaurante em Silicon Valley. Para Vance, a pergunta de Musk não procurava uma resposta objetiva e que devia ser feita por Elon Musk ao próprio Elon Musk.

Apesar de algumas ideias parecerem loucas, a verdade é que Musk começou o doutoramento aos 24 anos, criou a primeira empresa aos 26 anos, é o rosto por detrás do sistema PayPal, criou a SpaceX, chegou à presidência da Tesla e continua a surpreender todos os dias com planos que muitos consideram utópicos e que não parecem ter fim.

RASHID ABBASI

Uma das criações de Musk que tem alcançado a atenção dos líderes mundiais é a chamada Hyperloop One: um comboio movido a energia solar, que promete fazer grandes distâncias a alta velocidade e em pouco tempo.

O comboio supersónico foi testado pela primeira vez em maio de 2016 no deserto do Nevada, nos EUA, e foi considerado um sucesso ao atingir os 218km/h em apenas 2,2 segundos.

Musk fundou ainda a Neuralink, uma empresa cujo objetivo passa por desenvolver tecnologias que permitam o upload ou download de pensamentos, para melhorar a memória, ou mesmo, acrescentar aos seres humanos inteligência artificial.

O empreendedor de 46 anos não ficou por aqui nos planos.

Damian Dovarganes

A MAIOR BATERIA DO MUNDO

No final deste verão, a Austrália foi devastada por várias tempestades que destruíram parte da distribuição de energia e que deixaram mais de 1,7 milhões de pessoas sem eletricidade.

O Governo australiano procurou assim uma solução sustentável para evitar que outros apagões não voltassem a provocar tantos estragos.

Elon Musk aceitou o desafio e apostou que seria capaz de construir a maior bateria do mundo em apenas 100 dias e no valor de 50 milhões de euros e que se não conseguisse, a pagava do seu bolso.

No início de dezembro deste ano, Musk inaugurou a que defende ser a maior bateria do mundo.

A bateria foi instalada na Austrália Meridional e será capaz de armazenar energia suficiente para alimentar mais de 30 mil casas.

A Austrália Meridional sofre de forma constante apagões de luz devido às tempestades. Assim, o governo australiano procurou várias soluções de energias sustentáveis.

A bateria da Tesla ocupa 10 mil metros quadrados e tem capacidade para 100 megawatts. Esta bateria conseguiu assim destronar uma bateria da Tesla com capacidade para 80 megawatts, instalada na Califórnia.

David Gray

  • A saga do prédio Coutinho
    6:43
  • Descobrir as rotas do Alentejo
    14:59
  • Cepas da Serra
    10:16