Saúde Mental

"Molécula do prazer" é responsável pela impulsividade e gravidade da dependência de drogas

Investigadores portugueses relacionam a dopamina com a gravidade da dependência de substâncias em homens a cumprir pena de prisão por crimes violentos.

Investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) descobriram uma associação entre alterações no metabolismo da dopamina a nível cerebral e a gravidade da dependência de substâncias em homens a cumprir pena de prisão por crimes violentos.

Em comunicado, a FMUP revela hoje que a investigação, publicada na revista científica BMC Psychiatry, mostrou "de forma inédita" uma associação entre as alterações da dopamina, conhecida como "a molécula do prazer", e o abuso de substâncias em agressores.

O estudo abre agora "novas perspetivas" a intervenção farmacológica em pessoas com dependência de drogas através da interferência no metabolismo da dopamina, catalisado por uma enzima designada COMT.

No cérebro humano, nomeadamente, no córtex pré-frontal, esta enzima COMT desempenha um papel essencial no equilíbrio dos níveis de dopamina.

Estudo envolveu 46 homens a cumprir pena de prisão pela prática de crimes violentos

A investigação, que integra um projeto mais amplo que visa identificar fatores preditivos de agressividade em presos, debruçou-se sobre 46 homens que se encontravam a cumprir pena de prisão em Portugal pela prática de crimes violentos como homicídio, tentativa de homicídio ou agressões físicas.

Mais de metade dos indivíduos (59%) apresentava abuso de substâncias, sendo que todos foram referenciados para a consulta de psiquiatria.

Os participantes, cuja média de idades ronda os 36 anos, realizaram uma série de testes psicológicos e análises ao sangue (eritrócitos e ADN), através dos quais foi possível determinar a atividade e genótipos COMT.

Citadas no comunicado, as investigadoras Margarida Figueiredo Braga e Maria Augusta Vieira-Coelho esclarecem que o estudo demonstrou "pela primeira vez, que a atividade da enzima COMT está relacionada com a gravidade da dependência de substâncias, bem como com a falta de autocontrolo e de planeamento".

"Nos indivíduos com problemas de abuso de substâncias, a atividade da COMT está relacionada com a capacidade de autocontrolo e de planeamento", salientam.

Os resultados demonstrados no estudo vêm corroborar outros que correlacionam os níveis da enzima COMT com os níveis de impulsividade e que associam o uso de inibidores da enzima à redução de comportamentos aditivos e impulsivos.

A associação entre a atividade da enzima COMT e a gravidade da dependência de substâncias ainda não tinha sido reportada, pelo que, a investigação portuguesa vem "reforçar o conhecimento sobre o papel das vias da dopamina nesta doença", destaca a FMUP.

A par de Margarida Figueiredo Braga e Maria Augusta Vieira-Coelho, a investigação foi também desenvolvida por Jacinto Azevedo, Cláudia Carvalho, Maria Paula Serrão e Rui Coelho.

Últimas Notícias