Operação Marquês

Zeinal Bava interrogado pelo juiz Ivo Rosa a 26 de junho

Francisco Seco

A fase de instrução do processo Operação Marquês foi pedida por 19 arguidos, entre os quais Zeinal Bava.

Esta fase processual facultativa funciona como um mecanismo de controlo jurisdicional da acusação do Ministério Público e conclui-se com a decisão do juiz de levar ou não a julgamento os arguidos e os termos em que isso acontece.

O antigo presidente da PT Zeinal Bava não tinha pedido para ser ouvido na fase de instrução do processo, mas irá prestar esclarecimentos sobre os crimes de que está acusado: corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada.

Salgado pagaria luvas para manter controlo sobre a PT

Na acusação da Operação Marquês, Ricardo Salgado é apontado como o principal corruptor de José Sócrates, mas também de Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. O antigo homem forte do BES é acusado de pagar dezenas de milhões de euros de "luvas" com um único objectivo: manter o controlo sobre a Portugal Telecom (PT).

Os extratos bancários das transferências do chamado "saco azul" do Grupo Espírito Santo revelam que 106 pessoas receberam pagamentos diretos e 96 avenças ocultas. A maior fatia terá sido recebida pelo antigo primeiro-ministro José Sócrates, mas Zeinal Bava surge em evidência. O gestor terá recebido mais de 25 milhões de euros.

Diligências até junho

A fase de instrução da Operação Marquês começou no final de janeiro sob a direção do juiz Ivo Rosa. A instrução foi requerida por 19 arguidos, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o ex-ministro Armando Vara, os ex-administradores da PT Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e o empresário Carlos Santos Silva.

Prevê-se que a decisão final seja conhecida perto do final do ano, dado o número de diligências e o número de testemunhas e de arguidos que querem depor.

Mais de 53 mil páginas de papel

O processo Operação Marquês, que teve início em julho de 2013, resultou numa acusação de 188 crimes, a maioria de branqueamento de capitais, vertida em mais de quatro mil páginas, 134 volumes, mais de 500 apensos e registos de mais de 180 buscas e interceções telefónicas.

MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA

No total, são mais de 53 mil páginas de papel, espalhadas por duas salas do TCIC, na rua Gomes Freire, em Lisboa.

José Sócrates, que esteve preso preventivamente e em prisão domiciliária e está acusado de 31 crimes económico-financeiros, pediu para depor nesta fase processual.

"Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês"

Em abril de 2018, jornalistas da SIC começaram a seguir o rasto do dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um diretor do Grupo Espírito Santo.

O Ministério Público estima que, em apenas oito anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT.