TSU/PEC

PEC reduzido em 100 euros a partir de março

PEC reduzido em 100 euros a partir de março

O Governo vai reduzir o Pagamento Especial por Conta das empresas em 100 euros e a dedução à colecta passa de 20% para 12,5%. António Costa garante que mais de 122 mil empresas vão ser abrangidas.

"O que vai ser real para as empresas é que já em março, quando tiverem de proceder ao primeiro pagamento do ano do PEC, verão os seus encargos diminuídos fruto da aprovação na Assembleia da República da proposta de lei que o Conselho de Ministros hoje aprovou, depois de ter ouvido os parceiros sociais e depois de ter assegurado a sua aprovação na Assembleia da República", disse o chefe do Governo.

António Costa, que falava na conferência de imprensa após a reunião semanal do Conselho de Ministros, explicitou que "até 1 de janeiro de 2019 haverá uma redução do PEC para todas as empresas sujeitas ao seu pagamento, quer em 2017 quer em 2018, e essa redução terá uma componente comum de 100 euros de abatimento à coleta e de mais 12,5% do remanescente da coleta paga por cada empresa".

A proposta de lei hoje aprovada pelo Conselho de Ministros "prevê que no dia 1 de janeiro de 2019 entre em vigor um novo regime simplificado, alargado a outras empresas, permitindo-lhes diminuir carga burocrática e ter uma fiscalização mais reduzida", referiu o primeiro-ministro.

Com Lusa

  • Depois da TSU, eis o PEC
    2:05

    TSU/PEC

    A redução no Pagamento Especial por Conta das empresas deve mesmo avançar, como alternativa à descida da TSU dos patrões. O Governo já apresentou a proposta aos patrões, que se mostraram recetivos.Tal como a SIC já tinha avançado, a redução neste imposto é o plano B do Governo, depois do chumbo do Parlamento à descida da TSU das empresas.

  • Governo vai negociar compensação diretamente com as IPSS
    0:33

    TSU/PEC

    Quanto às instituições particulares de solidariedade social, que não estão sujeitas ao Pagamento Especial por Conta, António Costa revela que o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, vai negociar directamente com as IPSS uma forma de compensação pela subida do salário mínimo nacional.

  • Misericórdias e IPSS vão receber mais verbas do Estado
    2:17

    Economia

    As Misericórdias e as Instituições Particulares de Solidariedade Social vão receber mais verbas do Estado. É a forma encontrada pelo Governo para compensar o chumbo da descida da TSU e Vieira da Silva já esteve em contacto com o presidente da CNIS para ser encontrada solução alternativa. O Padre Lino Maia defende que reforço das ver para as IPSS deve ser superior à inflação e o presidente da Confederação das IPSS espera chegar a acordo com o Governo até final de fevereiro. Em dezembro, o vice-presidente do PSD Marco António Costa defendeu alargamento da medida às IPSS e Misericórdias.

  • PCP espera que o PEC seja eliminado para todas as empresas
    1:03

    Economia

    O PCP espera que o Pagamento Especial por Conta venha a ser eliminado de vez. Os comunistas aplaudiram a redução do PEC aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros e dizem que vai de encontro à posição que defenderam durante a discussão do Orçamento do Estado.

  • "Preocupação do Governo e dos parceiros de esquerda é atacar o PSD"
    1:25

    País

    Luís Montenegro acusou o Governo de não respeitar a concertação social por ter reunido ontem à noite com os parceiros sociais na sede do governo. O líder da bancada parlamentar do PSD comentou ainda a ausência do primeiro-ministro, António Costa, ontem no debate no Parlamento e acusa o executivo e os partidos de esquerda de atacarem o PSD.