Vacinar Portugal

Covid-19. Novo centro de vacinação abre em Aveiro

Eurico Bastos

Eurico Bastos

Repórter de Imagem

Terá capacidade para vacinar mil pessoas por dia 

Estava tudo pronto para abrir no sábado passado, mas o adiamento, por uma semana, da vacinação de docentes e não docentes adiou o arranque para esta terça-feira.

Nas primeiras semanas, a vacinação do concelho de Aveiro fez-se nos dois pequenos centros de Santa Joana e de São Bernardo.

A partir desta terça-feira, toda a vacinação covid-19 do município passa para o novo centro no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro. O espaço vai funcionar com nove postos de vacinação e com capacidade máxima para administrar vacinas a mil pessoas por dia.

No próximo fim de semana, é aqui que serão vacinados também quase 1.700 docentes e não docentes do concelho de Aveiro. Até ao final da semana, serão administradas ainda segundas doses a pessoas com mais de 60 anos.

A região do Baixo Vouga, que agrega 11 municípios do distrito de Aveiro, já vacinou 15% da população com a primeira dose e 5,5% com as duas doses.

O Baixo Vouga tem atualmente cerca de 150 casos ativos de covid-19. Ovar e Estarreja são os concelhos com mais casos por habitantes.

Covid-19: os números da vacinação em Portugal e no Mundo

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros