Vacinar Portugal

Suspeita de irregularidades na vacinação. Falhas em dois terços das entidades investigadas

Cerca de 169 entidades podem não ter cumprido plano de vacinação contra a covid-19.  

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde detetou várias falhas no plano de vacinação contra a covid-19. Em dois terços das entidades investigadas, foram encontrados indícios de irregularidades ou abusos. Alguns casos foram comunicados ao Ministério Público.

Das 272 entidades de saúde fiscalizadas, 169 revelaram suspeitas quanto à processo de vacinação, segundo a versão preliminar do relatório da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde, a que o Jornal de Notícias teve acesso.

Nos centros hospitalares do Porto e Lisboa Norte, que incluem o Hospital de Santo António e o Santa Maria, foram detetadas inconformidades que indicam que a vacinação dos profissionais de saúde, que prestam diretamente cuidados a doentes, não foi feita segundo as normas estabelecidas.

A inspeção conclui que tanto na Administração Regional de Saúde do Norte, como em Lisboa e Vale do Tejo, os profissionais de saúde e utentes que pertenciam aos grupos prioritários foram prejudicados.

As vacinações que violaram as normas incluem profissionais de saúde que não estavam diretamente envolvidos na prestação de cuidados de saúde a doentes, membros de conselhos de administração de serviços de saúde, administradores de entidades do setor privado e pessoas que não pertenciam aos grupos prioritários.

Em defesa, algumas entidades invocaram falta de regras claras quanto à gestão de doses excedentes.

O Ministério da Saúde confirma que a inspeção à implementação do plano de vacinação, que começou no final de janeiro, ainda está em curso. Até agora, foram instaurados 41 processos de inquérito, seis processos de fiscalização e oito de esclarecimento.

Alguns casos foram comunicados ao Ministério Público.