A vacinação em Portugal e no Mundo

Portugal pondera substituir 2.ª dose da AstraZeneca por outras vacinas, mas investigadores dividem-se

Opção está a ser ponderada para quem tem menos de 60 anos e já tomou a primeira dose.

Quem tem menos de 60 anos e já começou a ser vacinado com a AstraZeneca pode receber a segunda dose de outra marca. É uma das possibilidades admitida pela Comissão Técnica de Vacinação, que aguarda mais estudos para tomar uma decisão.

Mas Luís Graça, investigador e membro da comissão técnica, explica que a evidência que existe até ao momento não aponta para quaisquer riscos em combinar vacinas.

"Aquilo que se pretende, do ponto de vista das nossas defesas, é expor a nossas defesas à mesma proteína do vírus que foi apresentada na primeira administração da vacina. E todas as vacinas usam a mesma proteína do vírus, a spike", explica.

Mas para Miguel Castanho, investigador do Instituto de Medicina Molecular, não há nesta fase informação suficiente que permita chegar a essa conclusão. O ideal, defende, seria administrar a segunda dose com a vacina da AstraZeneca mas entende que "não é uma opção que corresponda às ansiedades e receios das pessoas.

Portanto, a segunda opção seria administrar uma segunda dose de outra vacina mas com o mesmo princípio de atuação. E neste sentido, temos a opção da Jonhson & Jonhson". Isto porque esta vacina é, tal como a da AstraZeneca, composta por vetor viral, enquanto as vacinas da Pfizer e da Moderna utilizam uma tecnologia diferente, de RNA Mensageiro.

Veja também: