A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19. UE não renovou encomenda de vacinas à AstraZeneca para depois de junho

NurPhoto

A vacina da AstraZeneca tem registado atrasos na entrega, o que levou a UE a apresentar uma ação judicial contra o laboratório.

A União Europeia (UE) não renovou, por enquanto, o contrato com a AstraZeneca para fornecimento de vacinas contra a covid-19 depois de junho, indicou este domingo o comissário europeu do mercado interno, após ter sido anunciado novo contrato com a Pfizer.

"Não renovámos o contrato [com a AstraZeneca] para depois do mês de junho. Estamos a ver, veremos o que acontece", afirmou o comissário Thierry Breton, em declarações à France Inter/France Info.

A vacina da AstraZeneca tem registado atrasos na entrega, o que levou a UE a apresentar uma ação judicial contra o laboratório. Alguns casos de coágulos sanguíneos também levaram a restrições no uso desta vacina.

Um porta-voz da Comissão Europeia afirmou, no final de abril, que a ação judicial foi interposta porque "alguns dos termos" do contrato negociado entre a AstraZeneca e a Comissão Europeia "não foram respeitados", não tendo a farmacêutica apresentado uma "estratégia credível para assegurar a entrega atempada de doses".

Comissão Europeia anuncia contrato para compra de 900 milhões de vacinas da Pfizer

No sábado, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou um novo contrato para comprar até 1,8 mil milhões de doses de vacinas contra a covid-19 com a BioNTech-Pfizer, até 2023.

"A Comissão acaba de aprovar um contrato para 900 milhões de doses, mais 900 milhões opcionais, com a BioNTech e a Pfizer", anunciou Von der Leyen, acrescentando que "outros contratos e outras tecnologias de vacinas virão".

O contrato com os laboratórios alemão e norte-americano, aliados na produção de vacinas contra a covid-19, prevê entregas a partir deste ano e até 2023.

VEJA TAMBÉM:

  • 1:21